Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Quem julga a Justiça

Por togas transparentes

Por Ricardo Noblat
Atualizado em 4 fev 2018, 08h00 - Publicado em 4 fev 2018, 08h00
(Antonio Lucena/VEJA)

De todos, mas de juízes sobretudo, exige-se correção, sensatez e respeito às leis. Onde correção quando muitos deles recebem auxílio moradia apesar de serem proprietários de imóveis nas cidades onde vivem?

(Bom dia, juízes Sérgio Moro e Marcelo Bretas, mas não só.)

Onde sensatez quando impetram ações judiciais para contrariar resoluções do Conselho Nacional de Justiça que deveriam simplesmente obedecer?

(Bom dia, ministra Cármen Lúcia, que por ora preside o Conselho.)

Onde respeito às leis quando driblam aquela que os proíbe de receber além do teto salarial estabelecido pela Constituição? Como podem cobrar respeito e ser respeitados? Como podem merecer confiança?

(Bom dia para pelo menos 17 mil juízes nessa situação.)

Continua após a publicidade

A Lava Jato ainda não chegou – e talvez jamais chegue de fato – a investigar a corrupção no Judiciário, mas ela existe porque a toga não é refratária a tentações.

Na semana em que a ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, fez um discurso apaixonado em defesa da Justiça, mais de 500 juízes pediram aumento de salários e outros benefícios.

A ministra Carmen Lucia
A ministra Carmen Lucia em sessão plenária do STF (Supremo Tribunal Federal) (Adriano Machado/Reuters)

Juízes por aqui ganham mal? O teto salarial deles supera em mais de 15 vezes o rendimento médio mensal dos demais brasileiros, segundo o jornal El País. Na Europa, só quatro vezes.

Vá mexer com interesses dos juízes, expor seus privilégios, ou censurar seu comportamento. Vá dizer que eles formam uma casta em um país de castas e de muita gente que ganha uma miséria. A casta estrebucha.

(Bom dia, advogada Rosângela Moro, que em defesa do marido escreveu que a imprensa separa o joio do trigo e publica o joio.)

Continua após a publicidade

Justiça existe para julgar, estamos de acordo, mas quem a julga?

O lado bom da coisa é que a Justiça está deixando de ser intocável, acima de qualquer suspeita. Perdeu-se o temor reverencial por ela. Antes se murmurava o que hoje se diz aos gritos a seu respeito.

A democracia só tem a ganhar com isso.

Se a lei deve ser para todos, a crítica também. Se do Executivo e do Legislativo se cobra satisfações, por que não do Judiciário?

Por togas transparentes para que pouco ou nada escondam!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.