Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

PT, PSDB e PMDB fora da sucessão de 2018

Memórias do blog

Por Ricardo Noblat
Atualizado em 15 mar 2018, 12h00 - Publicado em 15 mar 2018, 12h00

Texto do dia 15/03/2017

O primeiro alvo da Lava Jato foi o PT, e natural que fosse. O partido estava no poder desde 2002 quando Lula se elegeu pela primeira vez. E os fatos inicialmente apurados pela operação tinham a ver diretamente com denúncias de grossa roubalheira na Petrobras.

O PT gritou até ficar rouco que era o único partido investigado e que tudo não passava de perseguição política. Ainda grita, embora menos. Até que o avanço da Lava Jato começou a alcançar os demais partidos. Natural também que chegasse a hora do PSDB e do PMDB.

Sobrou para todos os partidos na lista de Janot, especialmente para os três maiores que ditam os rumos do país desde o fim da ditadura militar de 64, lá se vão 32 anos. A menos de 20 meses da eleição do próximo presidente, PT, PSDB e PMDB correm o risco de colher uma desagradável surpresa.

O PT só terá um candidato para chamar de seu se Lula escapar do destino que lhe parece reservado pela Lava Jato. É réu em cinco processos até aqui. Se condenado em primeira e segunda instância da Justiça, será preso e impedido de disputar a sucessão de Temer.

Continua após a publicidade

Na hipótese improvável de ser inocentado e concorrer, enfrentará a eleição mais dura de sua vida. As pesquisas indicam que ele, hoje, é o campeão das intenções de voto. Mas indicam que ele é também o candidato mais rejeitado. Dificilmente seria eleito num segundo turno.

Dois dos três aspirantes do PSDB a presidente da República estão na lista de Janot – os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP). O terceiro aspirante, Geraldo Alckmin, ainda poderá ser atingido por futuras delações. João Dória sequer esquentou a cadeira de prefeito de São Paulo.

O PMDB não tem e nunca teve um nome com condições de disputar a presidência da República e de vencer desde a morte em abril de 1985 do mineiro Tancredo Neves. Mesmo que o país esteja melhor às vésperas da próxima eleição, as chances de Temer se reeleger são poucas.

O caminho está aberto para um nome que ainda não despontou

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.