Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Os R$ 42 bilhões para segurança, por ora, são R$ 5 bilhões

Muito barulho por pouca coisa

Por Ricardo Noblat 2 mar 2018, 08h00

A opção derradeira do presidente Michel Temer por um final de governo marqueteiro levou-o a apostar todas as suas fichas no combate à violência – e assim, depois da intervenção federal no Rio, ontem foi a vez do pacote “Realce, quanto mais purpurina melhor”.

Diante de 17 governadores e de representantes dos que faltaram à reunião no Palácio do Planalto, Temer comprometeu-se a emprestar R$ 42 bilhões para os Estados investirem em segurança pública pelos próximos cinco anos. Mas, como? Temer imagina ser candidato e se reeleger?

“Realce, realce, quanto mais serpentina melhor…”

Na verdade, o que ele teria a emprestar este ano seria algo como R$ 5 bilhões. O resto, a depender do próximo presidente, seja ele quem for. Mas nem mesmo os R$ 5 bilhões estarão tão facilmente ao alcance dos interessados. Vamos por partes.

Os Estados não podem receber empréstimos públicos nos três meses que antecedem eleições. É o que diz a lei. Isso significa: só terão até o início de julho para elaborar projetos e apresentarem pedidos de grana. O tempo é curto. Poucos Estados terão capacidade para isso.

O governo federal teria que ser veloz como um relâmpago para aprovar os projetos e liberar o dinheiro até o dia 2 de setembro. É o que diz uma resolução: ela impede esse tipo de processo nos 120 dias anteriores ao fim do mandato do presidente da República, como lembra o jornal El País.

Entre 7 de julho e 28 de outubro de ano eleitoral, nenhuma obra nova pode ser licitada. É o que manda a lei. As chances, portanto, dos R$ 5 bilhões iniciais serem de fato emprestados este ano são escassas. E então?

“Não se incomode, o que a gente pode, pode, o que a gente não pode, explodirá.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)