Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O povo está nas ruas

Aos milhões, quase sempre sob um sol tórrido, brasileiros de todas as idades e inclinações festejam sem parar

Por Carlos Fino
Atualizado em 12 fev 2018, 14h00 - Publicado em 12 fev 2018, 14h00

De Salvador ao Rio de Janeiro e São Paulo, passando por Olinda, Recife e toda uma infinidade de pequenas e médias cidades, de norte a sul do Brasil, o povo está nas ruas.

Aos milhões, quase sempre sob um sol tórrido, brasileiros de todas as idades e inclinações festejam sem parar durante dias seguidos, comendo, bebendo, cantando e rindo, num autêntico exorcismo dionisíaco e orgiástico com que uma vez por ano o povão parece querer esquecer e redimir todas as penas da existência.

Tudo é muito estimulado, é certo, pela repercussão mediática, em particular as transmissões ao vivo das grandes estações de TV, que, num movimento circular, transformaram a festa popular num produto de mercado, aumentando sem parar o seu volume e impacto. A ponto de hoje se poder afirmar que se alguma coisa neste país parece conseguir consenso nacional – além, claro, do futebol – é essa festa aí: o Carnaval.

Tudo começou no período colonial, quando os portugueses aqui introduziram o Entrudo, versão europeia e já cristianizada da festa pagã com que na Antiguidade se assinalava a mudança de ciclo da natureza – o fim do inverno e o começo da primavera, celebrando a fertilidade, origem da vida.

Continua após a publicidade

A festa parece ter agradado em particular aos escravos, que a adoptaram e a transformaram com muitos elementos da cultura negra e indígena. A turbulência das ruas, entretanto, não agradava à nobreza, que preferia festejar de forma mais recatada e discreta, à francesa, com bailes de máscaras e fantasias, nos salões mais ou menos requintados dos clubes e teatros.

Hoje, esse Carnaval galante praticamente evaporou, substituído que foi pelos desfiles de rua –primeiro dos ranchos e marchinhas com zés-pereiras à cabeça (outra tradição portuguesa), e depois pelos blocos de rua e as baterias.

Assim, longe vão os tempos em que um dos chamados “intérpretes do país”, Paulo Prado, abria a sua obra mais marcante – Retrato do Brasil – com esta frase de efeito – “Numa terra radiosa, vive um povo triste”…

Continua após a publicidade

Daí para cá, os brasileiros parecem estar apostados em desmenti-lo o mais enfaticamente possível. Pode-se até questionar se a alegria é genuína ou estimulada e se por trás dela não estará, afinal, uma mágoa profunda que não se reconhece nem quer assumir. De qualquer forma, à superfície, pelo menos, não há povo mais alegre que o brasileiro, em cuja cultura quase não há espaço para a tristeza.

Mesmo que saiba, à partida, que tudo vai terminar na quarta-feira.

Carlos Fino é Jornalista, correspondente da televisão pública portuguesa RTP em Moscou, Bruxelas e Washington. Destacou-se como repórter de guerra na ex-URSS, Afeganistão, Oriente Médio e Iraque. Foi adido de imprensa da Emb. de Portugal em Brasília, onde reside 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.