Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O garoto adotivo dos Bolsonaro

O povo, unido, jamais será vencido

Por Ricardo Noblat
Atualizado em 30 jul 2020, 19h52 - Publicado em 23 mar 2019, 07h00

Com a benção do 02 (Eduardo) e do 03 (Carlos), a indiferença do 01 (Flávio) e à revelia do 04 (Renanzinho) que não foi consultado, Filipe G. Martins, discípulo do autoproclamado filósofo Olavo de Carvalho e assessor especial para assuntos internacionais da presidência da República, aspira ser adotado pela família Bolsonaro. Em breve poderá posar de 05.

Sua especialidade é causar. E ontem, nas redes sociais, causou ao pregar uma “mobilização popular” para forçar o Congresso a aprovar tudo o que o governo lhe envie. Escreveu na sua conta no Twitter que seria necessário, em suma, “mostrar que o povo é quem manda no país”. Usou 11 posts seguidos para expor sua tese. Está disposto a retomar o assunto sempre que julgue oportuno.

Não disse, mas parece apostar no agravamento da crise política que põe de um lado o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) e, do outro, o presidente da República, Jair Bolsonaro. Cansado do ralo empenho de Bolsonaro para aprovar a reforma da Previdência, Maia declarou que continuará a defendê-la, mas que a responsabilidade pela sua sorte é do capitão.

Martins aproveitou-se do desabafo do deputado para tomar as dores de Bolsonaro, aumentar seu cacife junto à nova família imperial brasileira e exibir seus dotes de polemista da extrema direita. “”Há uma flagrante tentativa de isolar a ala antiestablishment do governo  lançando sobre ela uma série de adjetivações maliciosas”, pontificou.

Continua após a publicidade

“Fazem isso porque sabem que essa é a maneira mais eficaz de quebrar a mobilização popular”, afirmou Martins. “Assim tentam vender para a equipe econômica a ilusão de que é possível romper com o sistema patrimonialista de 500 anos do Brasil por meio da cooperação ativa com os oligarcas sem romper com a forma convencional de fazer política”.

Por muito menos, nesses estranhos tempos, um esquerdista que escrevesse tal coisa certamente seria chamado de subversivo, inimigo da ordem, e se tornaria alvo de todo tipo de ofensas no círculo dos bolsonaristas de raiz ou mesmo de ocasião. Martins é um bom exemplo de como os extremistas se parecem.

O pior é que Bolsonaro e seus guris lhe dão ouvidos e se entusiasmam com suas ideias. Durante a campanha do ano passado, Bolsonaro disse que era candidato a “quebrar o sistema”. Na noite do último domingo, em Washington, disse que era preciso primeiro “destruir” o que há de errado no Brasil para só depois “começar a construir”. O 05 amou!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.