Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Fux explica sem convencer por que pediu reserva de vacinas

Quem pode muito não pode tudo

Por Ricardo Noblat Atualizado em 24 dez 2020, 03h57 - Publicado em 24 dez 2020, 09h00

Tem razão o ministro Luiz Fux ao dizer que o presidente do Supremo Tribunal Federal “pode muito, mas não pode tudo”. Referia-se à análise do recurso da Procuradoria-Geral da República contra a decisão do ministro Kássio Nunes Marques que limitou os efeitos da Lei da Ficha Limpa. A análise, segundo Fux, cabe a Nunes Marques, não a ele, presidente do tribunal.

Mas a Fux, e a mais ninguém, caberia ter sustado o envio pelo diretor-geral do tribunal Edmundo Veras dos Santos Filho do ofício à Fundação Oswaldo Cruz pedindo para reservar 7 mil doses da vacina contra a Covid-19 a serem aplicadas futuramente em ministros e servidores do tribunal e do Conselho Nacional de Justiça. Ao não fazê-lo, Fux correu a se explicar.

Foi uma operação de contenção de danos, e não tão bem-sucedida assim. A reserva de vacinas não está prevista no Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde. Ali estão descritos os grupos que terão prioridade na hora em que começar a vacinação em massa. Servidores da justiça não estão entre eles – salvo os que sejam demasiadamente idosos e sofram de doenças graves.

Fux foi pouco convincente ao justificar o envio do ofício: “Também temos que nos preocupar para não pararmos as instituições fundamentais do Estado […] integradas por homens e mulheres com certa maturidade. Então pedimos de toda forma educada, ética, que quando todas as prioridades fossem cumpridas, também os tribunais superiores tivessem meios para trabalhar”.

Essa pode ter sido a intenção dele, mas não o que consta do ofício. Nele está dito que os servidores da justiça desempenham “papel fundamental no país” e que muitos deles fazem parte dos chamados grupos de risco. Em outro trecho, dá a entender que a reserva de vacinas seria uma “contribuição” ao restante da sociedade pois liberaria “equipamentos públicos de saúde”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês