Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro está conseguindo reabilitar a política (por Helena Chagas)

Ganhos para os poderes que trabalham para contê-lo

Por Helena Chagas Atualizado em 30 jul 2020, 18h51 - Publicado em 18 jun 2020, 11h00

O desgaste na imagem dos militares depois de um ano e meio de governo Bolsonaro era previsível diante da lambança em que se transformou a atual gestão. A pesquisa do Estudo do Instituto da Democracia (UFMG, Iesp/UERJ, Unicamp e UnB) que apontou queda de sete pontos no grau de confiança nas Forças Armadas entre 2018 e 2020 (33,9% para 27%) e um claro aumento da rejeição a um golpe militar (de 46,4% para 65,2%) permite ainda uma leitura mais ampla de mudanças na percepção da população que devem ser determinantes na agenda política e nas eleições de 2022.

Embora incipientes, há sinais de que, junto com o prestígio dos militares e a popularidade de Jair Bolsonaro, vai-se também o discurso da “nova política” que elegeu o presidente e um punhado de governadores de estado. A pesquisa “A cara da democracia”, feita anualmente, mostra certa recuperação na imagem de instituições que, em 2018, sob o impacto da Lava Jato, eram pessimamente avaliadas, como o Congresso e os partidos. Não que estejam superpopulares, mas a taxa dos que dizem não confiar no Congresso caiu de 56,3% para 37,2%.

Talvez diante da inépcia e das crises geradas pelo governo, as instituições da “velha política” parecem estar num caminho de reabilitação. Os partidos, sempre na rabeira do ranking, ainda são vistos com desconfiança por 66,9% – mas isso é dez pontos a menos do que há dois anos. Os que confiam “um pouco” neles subiram de 12,3% para 20,5%.

Também o Judiciário tem melhor avaliação. De 2018 para 2019, primeiro ano do governo em que as instituições começaram a ser abertamente atacadas pelos bolsonaristas, o percentual dos que diziam não confiar no poder havia subido de 33,9% para 38,2%. As ações do STF ao longo da pandemia, e a exacerbação dos ataques, agora claramente relacionados a investigações sobre a família e os aliados do presidente, parecem ter levado a rejeição a recuar para 21%. Os que confiam muito no Judiciário subiram de 8,3% para 13,6%, e os que confiam “mais ou menos”, de 28% para 39,4%.

Os últimos meses da pandemia do coronavírus, e as ações dos agentes políticos diante dela, parecem ter tido peso decisivo para a aparente virada no rumo dos ventos. Enquanto o Legislativo aprovava com celeridade projetos para mitigar os efeitos da Covid-19 e o Judiciário – em especial o STF – tomava decisões para barrar a insensatez da suspensão de medidas de proteção contra a “gripezinha”, o presidente da República negava a gravidade da pandemia. É um enredo ainda em curso, e apenas o futuro dirá qual terá sido seu impacto nessas instituições. Pelo andar da carruagem, porém, é possível supor um reforço da tendência de desgaste de Bolsonaro, e de ganhos para os poderes que trabalham para contê-lo.

Ainda é cedo para avaliar a dimensão do fenômeno, mas tudo indica que o discurso que elegeu Bolsonaro, puxado pela anticorrupção e pela antipolítica, dará lugar a uma agenda bem diversa. Possivelmente, temas como a reconstrução do país no pós-pandemia, geração de empregos e distribuição de renda, terão mais importância do que a esgotada temática da corrupção – até porque o próprio Bolsonaro deu sua contribuição para desmoralizá-la.

A percepção de que a chamada “nova política” era, com raríssimas exceções, uma balela que serviu para eleger, mas não para governar, também poderá ser fator importante. 2022 será de quem souber captar o novo humor e construir um discurso honesto e consistente em cima dele.

Helena Chagas é jornalista

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)