Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A saída virá das ruas

Trocar os gabinetes pelas ruas

Por Ruy Fabiano
Atualizado em 30 jul 2020, 19h52 - Publicado em 23 mar 2019, 11h00

As prisões do ex-presidente Michel Temer e de seu ex-ministro e ex-governador do Rio de Janeiro, Moreira Franco, devolveram o protagonismo à Lava Jato – e, com ele, o pânico e desequilíbrio que infunde ao meio político-empresarial. Mais dois figurões em cana.

Ao menos duas perguntas se impuseram desde então: quais serão os próximos (fala-se na ex-presidente Dilma) e em que medida isso afetará as relações do presidente Bolsonaro com o Congresso.

Lá tramita, afinal de contas, a proposta central de seu governo, a reforma da Previdência, cujo destino determinará de maneira inapelável o seu futuro e o do próprio país.

Mesmo não sendo o presidente o responsável pelas prisões, é óbvio que sua figura serve de estímulo e garantia aos que, no Judiciário, Ministério Público e Polícia Federal, combatem a corrupção.

Ele faz contraponto ao papel defensivo (e ostensivo) que o STF tem exercido em relação aos réus. Foi eleito com esse compromisso, de fazer a fila andar. Para melhor cumpri-lo, tornou o símbolo dessa operação, o hoje ex-juiz Sérgio Moro, seu ministro da Justiça.

A promessa de passar o país a limpo – isto é, saneá-lo institucionalmente – não é nova; é até recorrente. Serviu a que Lula e o PT surgissem, prosperassem e chegassem ao poder.

Continua após a publicidade

Mas não infundiram temor, pois, pela conduta em prefeituras e governos estaduais, que precedeu a conquista do poder federal, sabia-se que não a cumpririam. Era puro marketing.

Com muita rapidez, assimilaram as práticas que condenavam e as levaram ao paroxismo. Nunca antes. Em nome da governabilidade, mantra que justifica as piores atrocidades morais, instituíram a corrupção sistêmica. O resultado está sendo exposto pela Lava Jato.

Foram quatro mandatos sem oposição efetiva, cooptada pela “governabilidade”. Nenhum dos partidos relevantes eximiu-se de cumplicidade: PMDB, PDT, PSDB, PP etc.

Bolsonaro, em sua campanha, prometeu, no quesito moralidade, o mesmo que o PT quando na oposição. A diferença é que não se trata de marketing. E os expoentes da assim chamada velha política – que é velha mas revela imenso talento em renovar-se – já não têm dúvidas quanto a isso. Resta-lhes o velho truque de criar dificuldades para vender facilidades. Não está funcionando.

O aparato da mídia convencional, partícipe desse processo, perdeu relevância com o advento das redes sociais, de que é prova inconteste a própria eleição de Bolsonaro, a que se opôs sem êxito.

Continua após a publicidade

O grande desafio de Bolsonaro é unir a frente híbrida e desarticulada que o elegeu e mantê-la sob pressão popular. Mais uma vez, a solução terá de vir das manifestações de rua.

Sem essa pressão, a única capaz de pôr fim à resistência fisiológica do Congresso e à intocabilidade imperial do STF, não há como sanear o establishment institucional – e, por extensão, não há como viabilizar nem o projeto de Paulo Guedes, nem o pacote anticrime de Sérgio Moro. A política tende à acomodação.

A saída para o governo é trocar os gabinetes pelas ruas e fazer uso inteligente da Ágora contemporânea, as redes sociais.

Ruy Fabiano é jornalista

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.