Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Neuza Sanches
Negócios, Mercados & Cia
Continua após publicidade

Haddad versus Lira: “tiro no pé”, dizem empresários e banqueiros

Para mercado financeiro e empresarial, ministro da Fazenda foi “infeliz” ao reclamar do poder exercido hoje pela Câmara

Por Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 ago 2023, 17h38 - Publicado em 15 ago 2023, 09h45

“Acho que o (Arthur) Lira (presidente da Câmara dos Deputados) tem sido o grande apoiador da política do Haddad. Parece ter sido um tiro no pé esse comentário do ministro da Fazenda”, afirmou um grande empresário ouvido por esta coluna, e resume o sentimento do setor empresarial e de banqueiros sobre a polêmica entrevista dada por Haddad ao jornalista Reinaldo Azevedo, na qual disse que a Câmara tem hoje “muito poder” e que a Casa não pode usar isso para “humilhar” Senado e Executivo.

“Pelo contrário, (a Câmara) tem ajudado a economia”, disse um banqueiro. “Em condições normais, poder demais, sim, atrapalha, mas no caso tem ajudado muito na condução econômica sem deixar que a carruagem saia dos trilhos”, completou outro sócio de banco.

As declarações de Haddad geraram ruído com o presidente da Câmara, que em reação adiou uma reunião que estava marcada para ontem à noite para discutir o projeto do novo arcabouço fiscal – uma das prioridades do governo. A discussão do texto está travada na Câmara por pressão de partidos do Centrão que reivindicam participação no governo Lula – leia-se, ministérios. Haddad teve de ligar para Lira para se explicar. (A Câmara adia novamente a votação do arcabouço, após atrito entre Haddad e Lira).

Até aqui, a relação de proximidade entre Haddad e Lira era vista como uma janela para a aprovação dos projetos de interesse do governo na Câmara. Depois desse episódio, o receio é de que as votações entrem em “banho maria” ou que os parlamentares passem a fazer maiores exigências para a votação dos projetos, o que na política nacional geralmente se traduz na inclusão de “jabutis” aos textos legislativos. “Normal para um governo que mão tem maioria no Congresso”, conclui outro banqueiro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.