Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Neuza Sanches

Por Neuza Sanches
Negócios, Mercados & Cia
Continua após publicidade

Desoneração: decisão de Zanin abre porta para solução de bom senso

Governo federal e Congresso terão 60 dias para colocar um ponto final no imbróglio econômico sobre a concessão do benefício a empresas e prefeituras

Por Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 20 Maio 2024, 08h00

Em vigor desde 2011 (governo Dilma Rousseff) e prorrogada sucessivas vezes, a desoneração da folha de pagamento teve na semana passada um desdobramento importante. O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal, atendeu a pedido do governo federal e do Congresso Nacional e sustou liminar que suspendia a manutenção do benefício fiscal. Sua decisão vai valer por 60 dias, quando se espera que o Congresso aprove projeto de lei sobre o tema.

Importante porque, primeiro, “tira a corda do pescoço” de milhares de empresas que teriam de voltar a recolher a alíquota cheia do imposto a partir de hoje, dia 20. A desoneração prevê a substituição da contribuição previdenciária de 20% por alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta. Na prática, é uma redução de impostos, e a contrapartida esperada é de que essas empresas ampliem o número de empregados.

Também é importante porque mostra bom senso do ministro do Supremo, ao apostar, como ele escreve na sua decisão, no restabelecimento de um diálogo e um acordo entre Executivo e Legislativo. Segundo ele, a “busca pela solução dialogada favorece a realização do princípio democrático, permitindo-se que diversos atores participem do processo decisório, com valiosas contribuições à jurisprudência constitucional”.

É preciso lembrar que a liminar ora sem validade foi dada pelo próprio Zanin a pedido …do próprio governo Lula, que passou por cima de uma decisão soberana do Congresso, que no fim do ano passado havia prorrogado, por margem folgada de votos, a desoneração até 2027. O gesto do governo provocou uma crise entre Poderes, com a troca pública de críticas entre os dois lados.

Continua após a publicidade

Pressionada, a equipe econômica teve de recuar, e há cerca de duas semanas anunciou um acordo com os parlamentares para restabelecer a desoneração de forma progressiva a partir de 2025 e até 2028 para as empresas. Negociação semelhante está em curso envolvendo também os municípios de menor porte.

Em tempos de promessa de déficit zero, a equipe econômica conta cada centavo para fazer caixa. Mas o imbróglio da desoneração mostrou uma sucessão de atropelos do governo, que tentou impor sua vontade sem priorizar uma negociação mais séria com o Congresso e os setores econômicos. A decisão de Zanin – que, como advogado, tem na bagagem 25 aos de experiência em litígios empresariais – abriu uma porta para uma solução pacificadora.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.