Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Murillo de Aragão

Por Murillo de Aragão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Credibilidade econômica

Não é pouco construir interlocução com o mercado e o Congresso

Por Murillo de Aragão Atualizado em 4 jun 2024, 10h54 - Publicado em 19 abr 2023, 17h07

Um dos desafios mais sérios que o governo enfrenta é construir credibilidade perante os agentes econômicos. Sem ela, investimentos são postergados e a dinâmica da economia perde energia. O início do governo Lula trouxe muitas dúvidas. Além das declarações polêmicas sobre juros e o mercado, havia questões sobre a composição da equipe, como ela se relacionaria com o Banco Central independente e, ainda, como lidaria com as pressões do mercado e com o fogo amigo do governo.

Para o mercado, Fernando Haddad não era o ministro dos sonhos. No percurso inicial, duas escorregadas desagradaram os agentes econômicos: o retorno do voto de qualidade do Carf e a criação do imposto de exportação de petróleo. Ambas as iniciativas, provavelmente, não vão prosperar. Porém, no conjunto da obra, ele e seu time estão se saindo bem. Aos poucos e em meio a trovoadas e tempestades, a equipe econômica está construindo um capital de credibilidade com os agentes econômicos.

Antes mesmo da posse, conseguiu costurar com aliados e a oposição a PEC da Transição e a aprovação do Orçamento de 2023. O acordo com os governadores sobre as perdas dos estados com o ICMS dos combustíveis também foi positivo. Nas negociações com o Congresso, ficou evidenciado o empenho pela busca de um marco fiscal decente. A proposta pode não ser a ideal mas não deixa de ter consistência. A contenção ao delírio do tabelamento do crédito consignado também foi uma mostra de pragmatismo.

“Haddad tem consolidado um núcleo racional e pragmático no governo”

Continua após a publicidade

Dois aspectos devem ser ressaltados. O primeiro deles é a postura calma e prudente de Haddad em meio ao tiroteio de declarações confusas e imprudentes de aliados. Ao lado da ministra Simone Tebet, ele tem consolidado um núcleo de racionalidade e pragmatismo no governo que, dada a sua diversidade, lida com peculiaridades extravagantes quase todos os dias.

Uma delas é o fato de a maior oposição ao governo vir de seus próprios aliados. Pragmáticos e lunáticos disputam a primazia de políticas públicas em um ambiente que termina sendo arbitrado pelo presidente Lula.

A segunda consideração é que o time de Haddad construiu uma interlocução relevante com o mercado, o BC, investidores internacionais e o Congresso. Não é pouco. Sem um diálogo construtivo com o Congresso e uma reação positiva do mercado às suas intenções, as propostas do governo vão se esfarelar.

Continua após a publicidade

Ser ministro da Fazenda no Brasil não é fácil em qualquer situação. Dadas as circunstâncias fiscais, econômicas e políticas, o desafio é ainda maior. Tanto pela agenda posta quanto pela inevitável necessidade de desenvolver consensos em pautas complexas, além do dever de projetar expectativas positivas. O mercado e os investimentos na economia real dependem das expectativas criadas pelo time econômico.

No início de abril, o real se valorizou e a inflação veio abaixo do esperado. A bolsa reagiu positivamente. Ainda é cedo para comemorar uma eventual virada nas expectativas. Mas devemos considerar que é plausível que ocorra uma melhora no ambiente econômico. Em especial se os pragmáticos predominarem no processo decisório.

Publicado em VEJA de 19 de abril de 2023, edição nº 2837

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.