Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O homem de 290 bilhões de dólares fala e a gente tem que prestar atenção

Gênio verdadeiro ou ricão embevecido pelo poder? Elon Musk provavelmente se enquadra nas duas categorias e é irresistível nos dois papéis

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 8 dez 2021, 08h30 - Publicado em 8 dez 2021, 07h54

Pertencer a um clube do qual só existem dez membros no mundo – o dos homens com fortunas acima de 100 bilhões de dólares – e ocupar atualmente o topo da lista são fatos grudados na imagem de Elon Musk.

E o que ele fala deve ser levado a sério ou entra na categoria dos espetacularmente ricos que nunca mais ouviram um “não” na vida?

O início da vida do introspectivo menino nascido na África do Sul teve muitos “nãos” quando ele sofria bullying na escola, mas agora Musk está bem acostumado a ser uma personalidade global – talvez “A” personalidade global que mais rebuliço causa quando entra em seus assuntos prediletos, como o futuro do planeta, da humanidade ou de ambos.

Na sua mais recente entrevista, durante a conferência de CEOs promovida pelo Wall Street Journal, Musk exerceu este papel com gosto. Por exemplo: a China não só vai ultrapassar os Estados Unidos, como terá uma economia duas ou três vezes maior do que a dos americanos. 

É difícil para gerações atuais no poder na China aceitar isso porque trazem a memória do tempo em que o país ainda tinha uma economia insignificante. 

Musk acha que a liderança chinesa vai relaxar mais quando não houver mais dúvidas de que é o menino maior do pedaço – uma forma certamente elogiosa encontrada por Musk para tratar de assuntos altamente complexos como a repressão aos uigures, a minoria muçulmana obrigada a praticar uma forma atenuada de sua religião.

E sobre os bilionários que fazem deferências, quando não concessões, ao gigante chinês que não podem contrariar por causa de seus interesses comerciais? Musk disse apenas tem boas relações com a China, o que não significa que endosse tudo o que ela faz.

Sobre o futuro da humanidade, que vê ameaçado por um desastre cósmico ou pela inteligência artificial, Elon Musk acrescentou um novo risco: o das taxas de nascimento em declínio.

“Tantas pessoas, incluindo pessoas inteligentes, acham que tem gente de mais no mundo e que a população cresce desenfreadamente. É exatamente o oposto”, discursou Musk.

Continua após a publicidade

“Por favor, olhem para os números. Se as pessoas não tiverem mais filhos, a civilização vai desmoronar, marquem o que estou dizendo”.

No planeta Musk, o mundo vive acabando. Um dos motivos para ele trabalhar oitenta horas durante sete dias por semana. O maior bilionário do mundo acha que tem que salvar a Terra da degradação ambiental (daí os carros elétricos da Tesla) e dos limites que a vida num único planeta implicam (daí o programa espacial da SpaceX).

Também acha que o governo americano tem que gastar menos, inclusive em subsídios para carros elétricos, um elemento importante do pacotão trilionário de Joe Biden.

“Honestamente, eu simplesmente poria essa lei inteira no lixo”, recomendou – mesmo sabendo que os subsídios para a Tesla seriam retomados.

“O papel do governo tem que ser semelhante ao de um juiz, mas não o de um jogador em campo”, definiu, como bom libertário.

Musk tem muita coisa a dizer e não perde oportunidades de fazer isso. Com QI calculado em 155 e seus 291 bilhões de dólares, nem sempre deixa de pecar pela boca, ao contrário do mais contido Jeff Bezos, com quem alterna o primeiro lugar na lista dos mais ricos do mundo e na corrida pelo pioneirismo na exploração comercial do espaço.

Nunca existiram tantos com tanto, tendo construído suas fortunas a partir de zero, com base em inteligência excepcional, capacidade de visão, pioneirismo, dedicação quase sobrenatural ao trabalho e, claro, muita sorte.

“Eu estou apaixonada pelo maior dos gamers/ Mas ele sempre vai ser mais apaixonado pelos games/ Do que por mim”, escreveu Grimes, nome artístico da cantora canadense Claire Elise Boucher, que em setembro se separou de Musk.

Os dois têm o filhinho chamado X, para simplificar um nome incrivelmente complicado. Um motivo a mais para Musk salvar o planeta cujo destino considera tão ameaçado. Se der para ganhar um dinheirinho enquanto isso…

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês