Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O ex-metalúrgico e sindicalista que não fechou a Suécia

O primeiro-ministro Stefan Löfven nem sequer aparece e faz discursos, deixou tudo nas mãos do diretor de vigilância sanitária e muita gente torce contra

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 3 abr 2020, 10h41 - Publicado em 3 abr 2020, 08h03

Comportem-se “como adultos” e não espalhem “pânico e boataria”.

Essa foi a base do que o primeiro-ministro sueco disse até agora ao país sobre a pandemia que já tem, em escala global, mais de um milhão de casos confirmados e 50 ml mortos.

Stefan Löfven não tem nada de “negacionista do coronavírus”. É um social-democrata de raiz, com uma longa carreira sindical, iniciada quando era soldador de uma fábrica de armamentos.

Hoje a social-democracia parece envelhecida e até arcaica, mas foi ela que atingiu o ápice do estado de bem estar social nos países escandinavos.

ASSINE VEJA

Até quando? As previsões dos cientistas para o fim do isolamento A imensa ansiedade para a volta à normalidade possível, os dramas das vítimas brasileiras e a postura equivocada de Bolsonaro diante da crise do coronavírus
Clique e Assine

Esse fundamento sólido dá segurança às autoridades da Suécia para seguir um caminho que já está sendo chamado de “excepcionalista”: não fechar o país, não decretar o isolamento em massa, não paralisar a economia.

É claro que tem uma enorme torcida contra, principalmente fora da Suécia, onde a epidemia virou um pretexto para politizar o vírus e acusar governantes conservadores de deliberadamente arriscar a vida de seus próprios cidadãos (atenção, estamos nos mantendo nos limites de Estados Unidos e Inglaterra).

“Eles estão nos levando para a catástrofe”, disse ao Guardian a pesquisadora Cecilia Söderberg-Nauclér, do Instituto Karolinska. Mais 2 000 médicos e cientistas fizeram um abaixo-assinado pedindo restrições mais severas.

A Suécia tinha até ontem cerca de 5 600 casos confirmados e quase trezentos mortos. A mortalidade empatava com o Brasil.

Segundo um matemático da Universidade de Estocolmo, Tom Britton, na verdade provavelmente já existe um milhão de infectados e metade do país de 10 milhões de habitantes chegará nesse ponto até o fim do mês.

Sem jamais mencionar a expressão, a Suécia está seguindo o sistema de buscar a imunidade de grupo, ou de rebanho, contando que tem condições de hospitalizar e tratar os casos mais graves, enquanto os leves se disseminam e atenuam o impacto, tanto sanitário quanto econômico, em especial de uma segunda onda da epidemia.

A Inglaterra começou no mesmo caminho e deu uma guinada no meio.

Como Löfven não se declarou comandante da guerra ao vírus, não faz pronunciamentos ao país, não usa discursos dramáticos e segue o protocolo de independência dos órgãos de vigilância sanitária, quem aparece é o epidemiologista Anders Tegnell.

Mesmo com o ar um tanto cansado de quem ouve as mesmas perguntas sem parar, principalmente de jornalistas estrangeiros inconformados com a posição da Suécia, Tegnell explica com palavras diretas e claras.

“Vocês agem como se a epidemia pudesse ser controlada ao longo de algumas semanas, ou no máximo meses”, disse ao Corriere della Sera, o jornal de Milão, no foco da pior mortandade do mundo por Covid-19.

“Nós, ao contrário, estamos tentando diminuir seu ritmo porque acreditamos que essa doença não vai desaparecer tão cedo e teremos que conviver com ela a longo prazo. Pelo menos até a introdução de uma vacina, o que levará anos”.

“Tentar represar uma epidemia pode até ser contraprodutivo porque uma vez que a cadeia de contágio é retomada, é possível que a situação se torne ainda pior”.

“Não podemos parar a economia por tempo ilimitado. Mais cedo ou mais tarde, seríamos obrigados a reabrir tudo e a situação poderia piorar mais ainda. Não podemos excluir o risco de recidiva, não temos informação suficiente sobre o vírus”.

Qualquer outro que falasse isso seria linchado, mas Tegnell é feito de material aparentemente inabalável.

Continua após a publicidade

Se Löfven, como político, sente mais o risco de ser responsabilizado nas urnas por nadar contra a maré, nada apareceu.

“Não podemos ficar fazendo leis e proibir tudo”, já argumentou. Como ex-sindicalista e político de centro-esquerda, ele certamente não é nenhum libertário.

Entregue em adoção pela mãe quando tinha dez meses ao um casal onde o pai era madeireiro, com filiação sindical desde os treze anos e carreira feita toda no movimento trabalhista, ele não tem muita experiência direta na política parlamentar. Foi eleito deputado apenas em 2014, enfrentou um voto de censura e hoje governa em coalizão com o Partido Verde.

A social democracia na Suécia e nos outros países escandinavos conseguiu o alto índice de desenvolvimento pelo sistema de participação dos “três pilares”: governo, empresas e sindicatos.

Durante décadas, funcionou magnificamente e continua a segurar o padrão de vida único mesmo com problemas como a bomba demográfica, a imigração em massa e os gastos sociais que nem os impostos altíssimos conseguem garantir a longo prazo.

Diante de jornalistas inconformados com bares abertos (mas agora só com acomodação em mesas, não no balcão), creches e escolas primárias funcionando, parques movimentados no  início de primavera e trabalhadores convidados a se recolocar em casa, se acharem possível, está tendo uma corrida às explicações sobre o excepcionalismo sueco.

“Na nossa normalidade, de repente viramos um lugar exótico”, escreveu Fredrik Erixon na Spectator, com humor que hoje parece impossível em qualquer lugar do mundo.

“Meus amigos estrangeiros estão estarrecidos. Não conseguem imaginar como possam existir pessoas que ainda aproveitam os frutos da civilização”.

Erixon comenta que a Suécia atingiu o ápice da intervenção do estado-babá, do tipo que aconselha os cidadãos quantas fatias de pão deve comer, mas também parte do princípio de que “numa democracia liberal, as pessoas devem agir por convencimento e não por ordens. Se perdermos este princípio, perdemos a alma”.

“O excepcionalismo sueco é uma questão de princípios, não de epidemiologia”.

Mas é claro que pesam outros fatores sociais. O mais mencionado, com um risinho irônico, é que os suecos, na maioria, já são adeptos naturalmente do isolamento social. Não gostam de muita interação com desconhecidos – e conhecidos também. 

Geralmente, férias perfeitas são aquelas em que podem se embrenhar pelo interior, em lugares o mais longe possível dos outros.

Os idosos vivem sozinhos, o que facilita o isolamento aconselhado aos acima de 70 anos.

Seria absurdo comparar a Suécia aos Estados Unidos, por exemplo. Tamanho, população, densidade,  rede social, cultura, tudo é completamente diferente.

Mas a experiência sueca tem um padrão de comparação bem próximo: a Dinamarca.

O país vizinho tomou medidas mais parecidas com os dos outros europeus, mas já está na fase de começar a retomar as atividades. Tinha 123 mortes no último balanço.

Muitos dinamarqueses estão transbordando de orgulho pela maneira como parecem ter controlado a epidemia – e, como sempre, falando mal dos vizinhos suecos, um dos passatempos nacionais prediletos.

“Depois que tudo isso acabar, vamos ver quem se saiu melhor”, propôs a um site dinamarquês o onipresente Anders Tegnell.

O resto do mundo também quer saber. Se ambos se saírem bem, será um consolo no meio de tanta desgraça.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)