Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cuba: frangos para aplacar o povo e o balanço de um ano de repressão

Exílio ou cadeia, estas são as opções dos nomes mais destacados da onda de protestos contra o regime, como o cantor de rap Maykel Castillo

Por Vilma Gryzinski 12 jul 2022, 08h47

“Esta manhã, o mercado em CUP apareceu abastecido com frangos e desde ontem a luz não acaba”. Assim uma moradora de Havana resumiu as melhorias na vida de extrema escassez que os cubanos comuns enfrentam. CUP é como são chamados os pesos cubanos.

Detalhe: o frango não aparecia nos pontos de venda desde maio.

Nenhum cubano tem a menor dúvida de que a aparição dos frangos e o desaparecimento dos apagões de doze hora são temporários, uma manobra do regime para reforçar a mensagem principal: o aniversário de um ano dos extraordinários protestos de 11 de julho de 2021 deveria passar em branco.

Invariavelmente incapaz de prover os bens mais essenciais – e lá se vão 63 anos da revolução que criaria o paraíso socialista -, o regime cubano é bom em uma coisa: repressão.

A explosão espontânea de protestos, pedindo comida e liberdade, não se repetiu mais e os figurões do regime, juntamente com seus admiradores estrangeiros, têm o que comemorar: a voz do povo foi silenciada.

Talvez uma das  maiores expressões dessa voz seja a do cantor de rap Maykel Castillo, conhecido como Osorbo. Com seu nome que adapta a pronúncia em inglês e a cor da pele miscigenada, Maykel poderia estar em qualquer periferia brasileira. Mas está numa cadeia cubana, condenado a uma pena bárbara de nove anos,  pelo crime de ser um dos compositores de Patria y Vida – o hino dos protestos que inverteu uma das mais conhecidas palavras de ordem do castrismo, Pátria ou Morte.

Osorbo foi acusado de difamar e atentar contra as instituições, além de atacar um policial que foi prendê-lo.

Patria y Vida não prega nenhum tipo de violência nem promove atitudes agressivas, como muitos raps. Ao contrário, é quase ingênua, propondo uma caminhada “para demonstrar-te de que servem teus ideais/ Não nos tratemos ou façamos mal como animais”. Também fala das “panelas sem rango” e da “publicidade de um paraíso em Varadero/ Enquanto as mães choram pelos filhos que se foram”.

Que regime é esse que condene um cidadão a nove anos de cadeia por escrever uma música?

Continua após a publicidade

Quem tinha ideais de esquerda, quando estes pareciam nobres e justos, só pode sentir vergonha com a prisão de pessoas como Maykel Castillo e Luis Manuel Otero Alcántara, um artista plástico – artista! –  condenado a cinco anos por desrespeitar símbolos pátrios, desacato e desordens públicas.

Otero fazia performances com bandeiras cubanas e foi um dos criadores do Movimento San Isidro, que inspirou protestos de pequenos grupos de jovens intelectualizados, mais antenados com as redes sociais do que os núcleos tradicionais – e igualmente reprimidos – de oposição.

As atividades bem modestas desses grupos contrastaram com a grande explosão do 11 de julho do ano passado.

“Fregueses” habituais das cadeias cubanas ou recém-chegados ao mundo quase inconcebível da oposição a um regime que tudo controla foram tratados com a mesma brutalidade. 

Um relatório feito por duas ONGs, intitulado Um Ano Sem Justiça: Padrões de Violência Estatal contra Manifestantes do 11J, apresenta os seguintes números: 1484 pessoas presas, das quais 701, com idades entre 12 e 68 anos, continuavam detidas; 488 foram condenadas em simulacros de justiça.

O ator e dramaturgo Yunior García, que se tornou o nome mais conhecido entre o esboço de oposição, submetido a uma pressão insuportável, exilou-se na Espanha quatro meses depois dos protestos. Foi muito criticado, mas quem tem moral para condená-lo?

Ao nível das pessoas comuns, a saída também parece ser com os pés. Batem recordes os números de cubanos que vão para a Nicarágua – que aboliu a exigência de visto – e daí para o México, entrando sem documentos nos Estados Unidos. O número projetado para este ano é de 150 mil pessoas.

A dureza da repressão, a opção pelo exílio e a liberação dos pacotes enviados pela comunidade cubana no exterior parecem ter desarticulado a nascente oposição. Mas a ausência de protestos no primeiro aniversário do 11 de julho não esconde o fato de que a situação econômica ficou pior ainda e não há frangos episódicos que deem jeito num sistema intrinsecamente falido. 

O desejo de ver “Cuba livre” foi semeado e não há repressão que acabe com ele.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)