Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Apuros de Boris Johnson mostram como funciona o teatro da democracia

Acalorados debates cara a cara, piadas e gestos dramáticos fazem parte do ritual da Câmara dos Comuns e espantam quem não está habituado a ele

Por Vilma Gryzinski 21 jan 2022, 07h36

“Atravessar o corredor” é um gesto raro. Por isso, o parlamentar Christian Wakeford causou tanto impacto na quarta-feira: ele deixou o Partido Conservador, pelo qual foi eleito, e aderiu à bancada do Partido Trabalhista, de oposição.

Foi um protesto contra Boris Johnson e o rebuliço que ele vem causando com a crise das festinhas depois do trabalho em pleno lockdown.

Ao pé da letra, Wakeford não atravessou o corredor entre as duas bancadas porque não tinha lugar para ele esperar sentado, na sua bancada original, o momento de concretizar sua rebelião (obviamente, para os conservadores, uma sórdida traição que acabou dando um fôlego extra a Boris).

Os parlamentares são 650 e só há  427 lugares nos bancos forrados de couro verde, separados por uma mesa cheia de objetos estranhos na qual o primeiro-ministro, ou seu representante, se reveza nos debates com o líder da oposição todas as quartas-feiras.

Wakeford esperou em pé, com outros parlamentares que não têm lugar garantido, como os integrantes do governo e seus equivalentes na oposição (para cada secretário em exercício, existe um “ministro sombra”, um oposicionista pronto para assumir o lugar caso as urnas virem a maré).

Corre o boato que outros cinco representantes conservadores poderiam “atravessar o corredor”, revoltados com as desculpas esfarrapadas dadas por Boris para as festinhas no sobrado número 10 de Downing Street, misto de sede do governo e residência do primeiro-ministro.

Nos Estados Unidos, “atravessar o corredor” significa negociar com a oposição projetos de lei que são considerados vitais – uma coisa que Joe Biden só conseguiu fazer no começo de seu governo, embora tenha prometido que seria uma atitude permanente.

O Parlamento britânico é muito mais antigo do que a antiga colônia, com raízes remontando ao século XIII.Como houve apenas um breve período revolucionário de dez anos, o de Oliver Cromwell, no século XV, muitas tradições foram mantidas – e imitadas por países que romperam a relação colonial, mas continuam a ter o monarca britânico como chefe de estado.

Na Austrália e no Canadá, a maça, o imponente bastão dourado que é colocado todos os dias na mesa da Câmara, representando o poder monárquico, continua presente.

A ala da Câmara dos Comuns no Palácio de Westminster foi totalmente bombardeada pela Alemanha nazista durante a II Guerra e depois reconstruída, inclusive as “caixas de despachos”, com fragmentos da bíblia e outros textos sagrados.

É em cima delas que o primeiro-ministro e o líder da oposição colocam os papéis onde teoricamente anotam as respostas aos respectivos argumentos. Conta pontos ser bom de debate, rápido no fogo cruzado e bem humorado nos desafios ao oponente. Espera-se que os adversários  também reconheçam o valor do outro e riam, mesmo que contidamente, das provocações recíprocas.

Continua após a publicidade

Boris Johnson é um ás nesse jogo, pela linguagem corporal estudadamente histriônica e a língua afiada

Antes que a sua situação se deteriorasse e Keir Starmer, o líder trabalhista, voltasse de um período de isolamento por contato com um infectado, a número dois da oposição, Angela Rayner, teve uma sessão de debates com o primeiro-ministro em que todos chegaram à mesma conclusão: os dois estavam flertando. Ele, com o modo de falar de quem cursou Eton e Oxford, o ápice da elite; ela, com o jeito despachado de classe operária (largou a escola, grávida, aos 16 anos).

Até hoje, os ganchos com nome onde os parlamentares penduram os casacos também têm uma fita roxa para depositar espadas. A distância entre as bancadas – 3,96 metros – supostamente era para acomodar o comprimento de duas espadas e permitir que a turma do deixa disso interferisse a tempo caso a proibição de armas fosse desrespeitada e o calor do debate provocasse reações menos fleumáticas.

Outra coisa que chama a atenção de quem não está acostumado aos rituais é  o senta-levanta na turma do fundão, os “backbenchers”, ou ocupantes dos bancos de trás da bancada, que não fazem parte do governo nem do ministério paralelo da oposição, os “frontbenchers”.

Eles fazem isso para chamar a atenção do presidente da Câmara, na esperança de ser chamados para falar alguma coisa. 

Foi assim que David Davis, conservador que foi secretário para o Brexit no governo de Theresa May, acabou fazendo uma intervenção bombástica. 

Autorizado a falar pelo presidente, na mesma sessão em que Christian Wakeford atravessou o corredor, Davis disse diretamente a Boris Johnson: “Você está no cargo há tempo demais. Por Deus, vá embora”.

Antes, ele esclareceu que estava repetindo uma frase histórica, dita por outro parlamentar a Neville Chamberlain, o primeiro-ministro que tentou contemporizar com Hitler.

Boris, que escreveu uma biografia de Churchill, o substituto de Chamberlain, disse que não reconhecia a citação e seguiu adiante com o debate. 

Cara de pau faz parte do show de Boris Johnson e ele aparentemente ganhou um espaço para respirar até a semana que vem, quando  sai o relatório do inquérito sobre as festinhas.

Se for insustentável para o primeiro-ministro e insuflar ainda mais a rebelião interna dos conservadores, terá que renunciar.

Certamente com um discurso brilhante que provocará uma barulheira daquelas nos dois lados das bancadas verdes. E o teatro da democracia seguirá adiante.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês