Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Mundialista Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Vilma Gryzinski
Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A economia americana está bombando, mas Joe Biden continua patinando

Tudo está bom, da produção de petróleo ao controle da inflação, e ainda assim os índices de aprovação ao presidente estão baixos

Por Vilma Gryzinski
5 fev 2024, 06h56

Quem é produtor de petróleo recordista do mundo? Estados Unidos, com 13,3 milhões de barris diários. Lembram-se de quando a China ia ultrapassar a economia americana? Pois quem patina agora é o gigante vermelho, cheio de problemas, inclusive o encolhimento demográfico. E os americanos tiveram crescimento de 3,1% no ano passado, apontando para 4,2% nesse primeiro trimestre. A inflação está caindo e só em janeiro foram criados 353 mil empregos.

“Eu errei sobre o desaquecimento e a recessão”, reconheceu Larry Kudlow. “Eu e todos os colegas do ramo das previsões.”

Kudlow não é um dos comentaristas que passam o tempo todo insinuando que os americanos são ignorantes demais para ver os avanços econômicos do governo Biden: ele trabalha na Fox e foi assessor de Donald Trump.

Outro indicado por Trump, Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, o banco central, resumiu: “Sejamos sinceros, a economia está indo bem”. E a taxa de juros vai, cautelosamente, diminuir.

Então por que Joe Biden vai mal, com apenas 38% de aprovação? Por que Trump aparece à frente em nove das onze principais pesquisas de opinião do país, dando uma média de 46,6% contra 44,8% para Biden?

É possível que o “efeito cascata” das boas notícias na economia ainda não tenha chegado onde mais interessa aos cidadãos comuns, o caixa do supermercado e a bomba de gasolina (mas 35% já estão dizendo que a economia vai bem, contra 28% há seis meses).

Continua após a publicidade

SURRA NA POLÍCIA

Outros fatores também pesam na avaliação de Biden, incluindo os 81 anos e os sinais de déficit cognitivo, principalmente o discurso enrolado e os raciocínios estranhos quando sai do roteiro escrito no teleprompter. Trump também não é nenhum garotão e agora desponta, entre o eleitorado jovem, o nome de Robert Kennedy Jr. De maluco conspiracionista conhecido por fazer campanha contra vacinas, ele começa a ser tratado como “o Javier Milei americano”.

Também pesa contra Biden a loucura incontrolável na fronteira com o México para onde confluem imigrantes clandestinos do mundo todo, inclusive da China e da Rússia. Nada menos que 79% dos americanos acham que a situação na fronteira é um problema sério.

Uma economia forte absorve muita gente e a migração até serve para o objetivo não declarado de dar uma segurada nos salários, para não esquentar demais a situação e alimentar a inflação. Mas não é preciso ser trumpista para repudiar a surra que cinco clandestinos deram em dois policiais na Times Square (foram soltos sem fiança e saíram fazendo sinais obscenos para as câmaras).

Paira também sobre o governo Biden o risco de que alguma coisa dê muito errado no Oriente Médio, onde a quantidade de perigos e agentes não racionais é de tirar o fôlego.

A resposta, “telegrafada” com antecedência para prevenir baixas, ao ataque de drone que matou três militares americanos na Jordânia mostra que Biden é muito cauteloso e, obviamente, não quer uma escalada de consequências gravíssimas. Talvez muitos americanos concordem com essa prudência: não querem ser arrastados para outra guerra num lugar distante que termine de forma inconclusiva. Os que têm mais memória talvez se lembrem que a ascensão do Irã e seus apaniguados foi, em grande parte, uma consequência imprevisível da invasão do Iraque para derrubar Saddam Hussein.

Continua após a publicidade

PETRÓLEO CONTROLADO

Paul Krugman, o economista Prêmio Nobel que escreve no New York Times (com frequentes prognósticos errados, apesar do currículo), acha que o eleitorado mudou. No passado, disse, “um presidente presidindo sobre uma economia como a nossa estaria muito bem posicionado para a reeleição”.

“Mas vivemos numa era de hiperpartidarização, na qual a situação da economia parece ter muito menos efeito sobre a economia do que há algumas décadas. Muitos eleitores, especialmente republicanos, parecem basear sua avaliação da economia nas simpatias políticas, e não ao contrário.”

Krugman, obviamente, aprova tudo o que vem do governo Biden. Mas percebeu que o velho mantra da época de Bill Clinton – “É a economia, estúpido” – pode não ser mais tão determinante.

O recorde de 13,3 milhões de barris de petróleo, batido na semana passada (a exportação de gás também explodiu), pode não influenciar o eleitorado mais avesso a Biden, mas tem tido um resultado ao qual todos devemos agradecer: está mantendo o preço do barril na casa dos 70 aos 80 dólares, apesar da política de enxugamento da produção seguida pela Arábia Saudita, a número dois do ramo.

Imaginem onde estaria os preços, já agravados aqui por impostos, se ele tivesse cumprido a promessa de “acabar com os combustíveis fósseis”.

Continua após a publicidade

Valeu, Biden.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.