Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
VEJA Meus Livros Por Blog Um presente para quem ama os livros, e não sai da internet.

‘New York Times’ elogia Machado de Assis: ‘Um mestre da narrativa’

Jornal americano indica a leitura de uma coletânea de contos do escritor brasileiro que acaba de ser publicada nos Estados Unidos

Por Redação 7 jun 2018, 19h08

O jornal americano The New York Times dedicou uma resenha elogiosa ao livro The Collected Stories of Machado de Assis, coletânea de 76 contos do escritor brasileiro que foi lançada neste mês nos Estados Unidos. No texto, intitulado Um mestre da narrativa do Brasil do século XIX, herdeiro de gigantes e totalmente sui generis, a crítica literária Parul Sehgal apresenta Machado de Assis ao leitor americano, falando sobre sua vida, fases literárias e influências.

Parul lembra que o carioca já foi comparado a diversos escritores, do mundo inteiro e com estilos diversos. “Para Stefan Zweig, Machado era a resposta do Brasil a Dickens. Para Allen Ginsberg, ele era outro Kafka. Harold Bloom o chamava de descendente de Laurence Sterne, e Philip Roth o comparou a Beckett. Outros citam Gogol, Poe, Borges e Joyce”, diz. “No prefácio de The Collected Stories of Machado de Assis, o crítico Michael Wood invoca Henry James, Henry Fielding, Chekhov, Sterne, Nabokov e Calvino — tudo isso em dois parágrafos.”

Em seguida, a crítica comenta a transição da escrita de Machado do romantismo para o realismo. “Uma doença prolongada (Machado era epilético), e a quase perda de visão chamaram a atenção dele. O romântico gentil se transformou em um irônico perverso cujas intrusões autoritárias, saltos e travessuras influenciaram experimentalistas americanos como John Barth e Donald Barthelme.”

“As histórias de Machado pulsam com vida”, escreve Parul Sehgal. “Os finais são frequentemente obscuros e estranhos, às vezes abruptamente truncados. (…) Uma característica curiosa das histórias de Machado é que o Brasil está muito ausente. Há poucos marcos geográficos, poucas menções ao clima. Mas há alusões a Molière e Goethe. Romances e autores são as sinalizações. Como seus personagens, Machado era uma criatura da literatura; tinta circulava em suas veias. Apesar de ele nunca ter ido muito longe de sua cidade natal ele lia muito, reivindicando toda a cultura, toda a Europa – dando a seu trabalho aquele sentimento marcadamente aberto, cosmopolita.”

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)