Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Meus Livros Por Blog Um presente para quem ama os livros, e não sai da internet.

Crítico Silviano Santiago vence o Prêmio Oceanos

Com ‘Mil Rosas Roubadas’, escritor ficou com o 1º lugar na premiação, antiga Portugal Telecom

Por Meire Kusumoto Atualizado em 30 jul 2020, 23h54 - Publicado em 9 dez 2015, 14h29
O autor Silviano Santiago durante a 12ª edição da Flip (Festa Literária de Paraty), em 2014 (Crédito: Danilo Verpa/Folhapress)

O autor Silviano Santiago durante a 12ª edição da Flip (Festa Literária de Paraty), em 2014 (Crédito: Danilo Verpa/Folhapress)

Misto de biografia, autobiografia e ficção, Mil Rosas Roubadas (Companhia das Letras), de Silviano Santiago, foi escolhido pelo júri do Prêmio Oceanos como o melhor livro escrito por um autor de língua portuguesa publicado no Brasil em 2014. Trata-se da história de amizade entre o escritor e crítico literário e o produtor musical Ezequiel Neves. Santiago ganhou 100 000 reais.

Leia também:
Chico Buarque e Valter Hugo Mãe na final do Oceanos
Rebatizado pelo Itaú, Portugal Telecom abole categorias

A premiação de Mil Rosas Roubadas na noite desta terça-feira, no Auditório Ibirapuera, é o reconhecimento do valor da obra, mas é, também, simbólica. Herdeiro do Portugal Telecom e organizado agora pelo Itaú Cultural em parceria com Selma Caetano pela primeira vez em 2015, o Oceanos não quer se prender a gêneros – romances, contos e poemas concorreram entre si. Elvira Vigna, com Por Escrito (Companhia das Letras), ficou em segundo lugar e ganhou 60 000 reais. Alberto Mussa, autor de A Primeira História do Mundo (Record), ficou em terceiro e levou 40 000 reais, e o poeta Glauco Mattoso foi o quarto, com Sacola de Feira, e ganhou 30 000.

Na cerimônia, apresentada por Lourenço e Lucimar Mutarelli, os vencedores responderam a duas perguntas do casal: se a primeira frase dos livros foi a primeira que escreveram e como chegaram aos títulos das obras. “Perdi o meu biógrafo.” É assim que Santiago começa seu livro. “Esse início representa o momento em que o narrador perde a pessoa que lhe é mais querida. É quando descobre que está perdendo a si mesmo”, explicou ele, que disse que seu livro é uma obra sobre sobrevivência.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês