Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

STF em pé de guerra? 

Ministros jogam com as armas que têm para evitar que decisões indesejadas aconteçam 

Por Matheus Leitão Atualizado em 10 mar 2021, 10h28 - Publicado em 9 mar 2021, 18h23

O Supremo Tribunal Federal (STF) entrou em pé de guerra. Não aquela guerra de bate-boca a que já testemunhamos anos atrás, mas com base em decisões que vão revelando os pensamentos divergentes das alas da corte. Os ministros traçaram um duelo, onde cada um joga com as armas que têm.

A disputa jurídica é baseada em ação e reação, réplica e tréplica. Ficou notória quando o ministro Edson Fachin decidiu se antecipar ao ministro Gilmar Mendes, defendendo o adiamento da análise da suspeição do ex-juiz Sergio Moro, que voltou a acontecer nesta terça-feira, 9, mas que teve decisão final adiada por um pedido de vista.

Em contrapartida, Gilmar Mendes insistiu no julgamento do habeas corpus sobre a parcialidade de Moro, levando a melhor no embate, já que a maioria do plenário decidiu favoravelmente à continuidade do julgamento sobre a suspeição do ex-magistrado. O presidente do STF, Luiz Fux, não quis se envolver e deixou a decisão para os colegas.

Toda a discussão em torno da suspeição de Sergio Moro aconteceu um dia após o ministro Edson Fachin decidir anular as condenações do ex-presidente Lula. Na avaliação de ministros da corte, essa deliberação pode repercutir para além dos casos do petista, beneficiando outros réus da Operação Lava Jato.

Segundo a análise de um integrante da corte, o estudo da criminologia avalia as razões do crime, sendo que, às vezes, essas motivações são banais: ciúme, paixão, ou até mesmo, tentar encobrir outra falta. Ele explica que há uma versão na criminologia que diz que “o sujeito mata o guarda para se livrar da multa”, o que se aplicaria nessa situação.

Ou seja, o STF discutia apenas o caso do tríplex. No entanto, com a decisão de ontem, Fachin teria colocado uma bomba atômica em Curitiba, tirando todos os processos de Lula. O temor é de que haja mais repercussões em função desta jurisprudência, podendo fazer “muito mal” a toda operação, analisou esse magistrado.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)