Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Saiba o número de votos de Moro que Doria quer conquistar

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 11 abr 2022, 10h02 - Publicado em 7 abr 2022, 08h34

A estratégia número 1 da campanha de João Doria está definida: conseguir ao menos 70% dos eleitores de Sergio Moro, que desistiu da corrida presidencial, e, com isso, iniciar o crescimento nas pesquisas.

O primeiro passo já não será fácil.

Pesquisa XP/Ipespe divulgada nesta quarta, 6, mostrou que Jair Bolsonaro ganhou quatro pontos após o ex-juiz, que tinha cerca de 10% nos levantamentos, abandonar a candidatura, o partido Podemos e seus “eleitores”.

Doria ainda patina, com apenas 3%.

Enquanto a briga no ninho tucano permanece, e Eduardo Leite tenta antidemocraticamente descumprir o combinado nas prévias da qual saiu derrotado, a equipe do ex-governador começa a tocar o trabalho.

Continua após a publicidade

Mesmo que a ideia seja a de tentar encontrar um caminho na terceira via, apelidada por Doria de “via da esperança”, ou seja, “nem lula, nem Bolsonaro”, o ex-governador deverá concentrar, neste momento, mais ataques contra o petista. Isso, para tentar atrair o voto “morista”, digamos assim.

“Lula é a cara do atraso! A cara do retrocesso. O Brasil precisa olhar pra frente. Criar oportunidades para os mais pobres se tornarem classe media. E não empobrecer a classe média por decreto”, afirmou o ex-governador nesta quarta-feira, 6, após o ex-presidente afirmar que a classe média ostenta um padrão acima do necessário.

Na avaliação de integrantes da campanha de Doria, uma fatia grande do eleitorado ainda está longe de entender o que está acontecendo na corrida eleitoral.

Não sabe que Moro deixou a disputa, não sabe que Doria está na corrida e muitos deles não entendem nem que o tucano deixou a prefeitura e assumiu o governo estadual, no qual fez um bom trabalho como “pai da vacina” contra Covid-19.

A ideia é que só agora – com a oficialização da saída dele do Palácio dos Bandeirantes – a estratégia de informar o eleitorado, e ir construindo uma candidatura competitiva, ganhe corpo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)