Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Por que o mundo se torna cada vez mais religioso

Teólogo Rodolfo Capler analisa o fenômeno contemporâneo do crescimento das expressões de fé. Entenda

Por Rodolfo Capler
Atualizado em 7 jun 2022, 18h35 - Publicado em 5 jun 2022, 06h58

Ao contrário do que previam estudiosos e pensadores da chamada teoria clássica da secularização, a religião não combaliu. Amparados nos avanços da Ciência e da tecnologia, muitos cientistas sociais da era moderna acreditavam que a dimensão religiosa não vingaria. Em “A Gaia Ciência”, o filósofo alemão Friedrich Nietzsche parecia descrever esse espírito apontando para aquilo que chamara de “morte de Deus”. Para o Nietzsche a descrença era uma “nova aurora” que iluminaria os homens de sua época.[1]Entretanto, mesmo em meio a todo esse processo a religião não se extinguiu, contrariando todas as expectativas.

 O teólogo presbiteriano Timothy Keller, descreve um fenômeno atual que tem ocorrido nos Estados Unidos, Europa e Brasil: o simultâneo aumento do ceticismo e crescimento da religião. Conforme Keller, “tanto a fé quanto o ceticismo estão em alta”.[2] Conforme o estudo Valores dos Brasileiros, 96% da população citou fé e esperança como princípios essenciais de suas vidas. No Brasil, a população geral se torna cada vez mais religiosa. Um levantamento recente conduzido pelo Instituto alemão Bertelsmann Stifung analisou a religiosidade de 21 países e concluiu que o Brasil tem a terceira população religiosa do mundo, ficando atrás apenas da Indonésia e Marrocos, países de maioria islâmica.

A busca pela dimensão religiosa tem crescido no Brasil e no mundo, pois os indivíduos que vivem neste momento histórico são dominados por uma latente procura por sentido existencial e por evolução pessoal. As experiências de fé hoje são as mais diversas e se dão, com grande frequência, fora dos âmbitos institucionais da religião organizada. De meditação transcendental a conexão direta com a natureza, muitos estão expressando sua espiritualidade com mais frequência e longe de dogmas e ritos.   

Diante deste cenário religioso que se descortina no mundo e especialmente no Brasil, surge uma importante questão: Como será a relação dos brasileiros com a religião nos próximos anos? Ao que tudo indica, a população brasileira continuará cada vez mais religiosa, porém, experimentará uma baixa institucionalidade em sua prática de fé. Penso que a religião organizada sofrerá mudanças radicais nas próximas décadas, com a atualização das suas visões institucionais, modos de atuação e comunicação. Elas se tornarão muito mais abertas, flexíveis e igualitárias em suas estruturas e organizações, visto que os futuros líderes religiosos serão muito mais espiritualizados e cada vez mais desistitucionalizados.

Continua após a publicidade

* Rodolfo Capler é teólogo, escritor e pesquisador do Laboratório de Política, Comportamento e Mídia da Fundação São Paulo-PUC-SP


[1] NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. In: Os pensadores, v. 32. São Paulo (SP): Abril Cultural, 1973.

[2] KELLER, Timothy. A fé na era do ceticismo. São Paulo: Vida Nova, 2015, p.21.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.