Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Por que a digital de Bolsonaro está no caso da prisão de Milton Ribeiro

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 22 jun 2022, 15h11 - Publicado em 22 jun 2022, 11h02

Jair Bolsonaro já está tirando o corpo fora, mas a prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro joga por terra a falácia repetida exaustivamente pelo presidente de que nunca houve corrupção em seu governo.

Como se sabe, o caso investiga um balcão de negócios no Ministério da Educação para liberação de verbas milionárias do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, o FNDE. O esquema teria sido comandado por pastores evangélicos, base de apoio do governo Bolsonaro.

Milton Ribeiro foi visto próximo do presidente inúmeras vezes nos quase dois anos que ficou à frente da pasta, a mesma que Bolsonaro sempre acompanhou de perto até por sua obsessão ideológica em relação ao tema.

Por ser pastor, o ex-ministro da Educação fazia ainda – para além da função do primeiro escalão – o papel de capelão do governo, proferindo orações em eventos do Executivo que muitas vezes não tinham nada a ver com o ministério que comandava.

Era mais uma face da mistura entre púlpito e palanque que nunca deu certo na história da humanidade, mas que os líderes evangélicos brasileiros aceitaram pela sede de poder. Transformaram-se em um importante tentáculo do bolsonarismo.

Continua após a publicidade

Ocorre que não é só a ligação de Bolsonaro com Milton Ribeiro que precisa ser colocada sob holofote, após a deflagração da Operação Acesso Pago, da Polícia Federal. É preciso lembrar que os outros pastores envolvidos tinham conexão com o presidente antes de Milton Ribeiro ser ministro.

Os “religiosos” Gilmar Santos e Arilton Moura, também alvos da investigação da PF sobre corrupção e trafico de influência no MEC, eram unha e carne com Bolsonaro – indicados pelo próprio presidente para atuar na pasta.

Como informou a Folha de S.Paulo, ambos somaram 45 entradas no Palácio do Planalto. Em outubro de 2019, nove meses antes de Milton Ribeiro assumir o Ministério da Educação, eles já participavam de um evento no Palácio do Planalto.

Em áudio revelado pelo jornal, o ex-ministro disse o absurdo de que priorizava pedidos de pessoas ligadas a esses pastores por ordem do presidente da República. Bolsonaro pode gritar, espernear, reclamar da imprensa, mas a digital dele está mais que exposta neste escândalo.

E trata-se de corrupção. Pura e simples.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)