Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Pesquisas revelam uma lição que pode ser valiosa para Bolsonaro

Ou... o ensinamento da extrema-direita francesa que o presidente pode colocar em prática

Por Matheus Leitão Atualizado em 20 Maio 2022, 14h45 - Publicado em 17 Maio 2022, 08h22

O cientista político Antônio Lavareda, responsável pelo Instituto Ipespe de pesquisas de opinião, afirmou à coluna que qualquer movimento ao centro do presidente Jair Bolsonaro, que tem uma desvantagem de 12 pontos para Lula, poderia levá-lo a agregar mais votos neste momento do pleito.

“Bolsonaro poderia fazer, como [Marine] Le Pen, um movimento centrípeto que permitiu a ela agregar mais quase 10% dos eleitores”, disse Lavareda.

“Insistir no discurso radical para agradar sua base original de nada serve. Nem é necessário. Ninguém o desafia nesse campo. Não temos um Zemmour, alguém mais à direita o ameaçando”, completou.

Le Pen foi a candidata da extrema-direita na França, derrotada duas vezes por Emmanuel Macron mas que, em 2022, ampliou o seu eleitorado em quase oito pontos percentuais em relação a 2017.

Zemmour é um outro candidato extremista na França, mas da ultradireita, que coloca Le Pen muitas vezes em uma situação desconfortável, precisando falar aos eleitores de extrema-direita.

Mesmo assim, a candidata se movimentou ao centro e obteve 2,6 milhões de votos a mais. Não por menos, foi a primeira vez que um radical de direita ultrapassou a marca de 40% dos votos no país europeu.

Óbvio que, no Brasil, Bolsonaro já ganhou uma eleição obtendo a marca de 55% dos votos e não tem ninguém mais à direita do que ele. E o presidente se comporta, muitas vezes, como um extremista que ataca a democracia.

Continua após a publicidade

Nesta eleição, contudo, tem visto seu principal concorrente, Lula, manter uma média de 44% das intenções de voto, há um ano, enquanto Bolsonaro variou entre 23% e 26% até março de 2022.

Somente em abril deste ano, ou seja, mês passado, ele se recuperou mais e cresceu 5 pontos percentuais, chegando a 30%. Mas apenas após a saída do ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro.

Neste domingo, 15, o presidente fez a primeira fala em meses em que faz pequenos contrapontos com a direita radical que o segue cegamente no Brasil.

Bolsonaro disse ter pena do cara que levanta uma faixa defendendo o AI-5, minimizou os pedidos de intervenção militar e defendeu que não pensa em dar “um golpe”, independentemente do resultado.

Numa reunião na tarde desta segunda, 16, em São Paulo, ele voltou a falar aos gritos, criticou o Tribunal Superior Eleitoral, afirmou que querem “nos tirar agora o que tentaram nos tirar em 64” – segundo ele naquela época pelas armas, agora pela caneta.

E bradou, radicalizando mais uma vez, que as eleições serão conturbadas. Ou seja, ele segue querendo incendiar seus incendiários de sempre.

A cada gesto que parece ser de apaziguamento, o presidente faz outros três de confronto. Na semana passada estava em meio a mais uma crise instituições com outro poder, o Judiciário.

De qualquer maneira, a mudança de tom, se ocorrer, será algo que os analistas devem estar cada vez mais atentos a partir de agora, à medida que o calendário oficial eleitoral se aproxima.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)