Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O uso político da saúde de Bolsonaro 

O presidente e seu entorno usam cada internação dele para ter dividendos eleitorais

Por Matheus Leitão Atualizado em 5 jan 2022, 13h11 - Publicado em 5 jan 2022, 12h51

Repetiu-se neste episódio da internação de Jair Bolsonaro, após o feriado do Ano Novo, a mesma estratégia política que acontece em cada problema de saúde do presidente.

Independentemente de ele ter se sentido mal – e acredito que ele, sim, passou mal -, a sua internação acabou sendo usada dentro de uma estratégia política de tentar atenuar a péssima imagem que ficou do presidente no final do ano.

Bolsonaro estava de férias enquanto o país enfrentava um problema grave com as enchentes e o presidente acabou cobrado na internet, inclusive por seguidores de direita. Ele exibiu durante dias cenas de divertimento – que seria aceitável em qualquer época – mas não em mais um período de tragédias no país, com a Bahia tendo mortes e destruição por causa das chuvas torrenciais.

Bolsonaro teve alta nesta quarta-feira, 5, e a coluna esperou este fato para formar sua avaliação sobre o que está acontecendo. Repetiu-se o mesmo esquema.

Toda vez, a partir do momento que ele é internado, os filhos e assessores diretos, começam a dar tons mais dramáticos ao caso, mesmo que não tenha essa dramaticidade. Agora, por exemplo, não foi sério.  Foi uma obstrução resolvida de forma clínica, sem necessidade de qualquer intervenção cirúrgica.

Mas, mesmo assim, o filho Zero Um, Flávio Bolsonaro, fez uma postagem dizendo que as pessoas queriam que ele morresse, e o general Ramos, seu fiel seguidor, fez outra dizendo que as pessoas deviam orar pela saúde dele.

Recorre-se à religião, à doença, lembra-se da facada que ele sofreu – tudo para tentar reavivar o sentimento de solidariedade das pessoas em relação a ele, a mesma solidariedade que ele não tem em relação aos outros que sofrem (e temos muitos exemplos disso, principalmente na pandemia)

Continua após a publicidade

O script é sempre o mesmo. Desta vez, Bolsonaro postou no Tik Tok, por exemplo, imagem dele sendo atendido pelos médicos com uma música triste ao fundo.

O entorno do presidente, então, voltou a fazer indiretas dizendo que a esquerda realizou um atentado contra ele, quando todas as investigações da Polícia Federal não comprovaram isso. 

Ao contrário, dois inquéritos confirmaram que o Adélio Bispo, o agressor, agiu sozinho. O presidente não se conforma com esse resultado das investigações e sempre pede outra para alimentar a teoria conspiratória.

O governo acabou de transferir para fora do Brasil o delegado que chefiou a última investigação do caso da facada. Apuração essa que deixou claro que não houve uma conspiração da esquerda, e sim um ato isolado de uma pessoa sem domínio de suas faculdades mentais.

Ou seja, nunca houve uma conspiração. Duas investigações da PF disseram isso, mas o presidente e o entorno dele – filhos e ministros – usam o novo problema de saúde politicamente para angariar simpatia, alimentar fake news contra adversários políticos.

Insinuações, postagens, recorrência à Deus, pedidos de oração, o uso do aparato do Estado, gasto público para trazer o médico das Bahamas, que chegou apenas para dizer que estava tudo bem.

Em meio a isso, os filhos postam, ministros mais próximos postam, tudo para reduzir o desgaste da imagem ou uma tentativa de trazer a simpatia, a empatia do público, a qual, repito, Bolsonaro não demonstra ter em relação aos outros.

Que a saúde do presidente melhore, é o desejo desta coluna, mas que ele saiba que o Brasil não é feito de idiotas.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês