Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O termômetro das empresas (verdadeiramente) éticas

Daniel Lança analisa a necessidade de coerência entre discurso e ação nas empresas chamadas ESG

Por Daniel Lança 5 dez 2021, 12h01

A mudança paradigmática do capitalismo selvagem para outro mais consciente é movimento desejado e bem vindo, como já falamos à exaustão por aqui. Tais novas práticas empresariais são caracterizadas por visão mais sustentável a longo prazo, busca por impacto relevante com as diversas partes interessadas e governança mais robusta, o que inclui a obsessão por uma conduta ética irrepreensível. Nesse ponto, ainda se vê alguma dissintonia entre discurso e prática. Explico com um recente exemplo.

Nessa semana, o jornal Folha de S. Paulo publicou a história de uma distribuidora de energia elétrica que deliberadamente fornece eletricidade a invasores ilegais de terras indígenas no Pará, mesmo após ter pedidos de autorização e licenciamento negados pela FUNAI e pelo IBAMA. Vale lembrar que atitudes como estas estimulam a invasão de garimpeiros, promovem o desmatamento ilegal e causam todo tipo de poluição ambiental oriunda do uso desordenado do solo, além de clara ameaça a tribos isoladas da região. 

Curiosamente, a mesma empresa participa de ações de engajamento ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança) e, provavelmente, realiza procedimentos de due diligence (buscas reputacionais e verificação de antecedentes) sobre seus fornecedores. A ideia da due diligence de integridade (DDI) é exatamente filtrar parceiros de negócios que não compartilham os mesmos valores éticos, sobretudo pensando na associação de imagem e reputação organizacional, muito comum no meio corporativo. 

Ora, por que não se realizam buscas reputacionais com o mesmo afinco em clientes potenciais? A resposta já se sabe: dói muito menos pesar a mão sobre um fornecedor do que negar faturamento vindo de um novo cliente. Entretanto, esse é um excelente termômetro de integridade empresarial: estamos verdadeiramente dispostos a perder dinheiro para sermos coerente com nossos princípios? Ética vale a pena mesmo quando perdemos um novo negócio?

Por isso venho alertando a necessidade de ranquear os valores de uma organização – no seu planejamento estratégico – antes da missão (razão de existir da organização) ou da visão (onde se busca chegar a longo prazo), reforçando a importância dos princípios norteadores na caminhada de uma empresa. 

Este não é um exercício apenas teórico. É exatamente em situações como esta que descobrimos o que realmente move uma organização; se em algum momento a missão ou a visão colidirem com os valores, em qualquer situação, é preciso permanecer com os últimos. Caso contrário, a força motriz corporativa será apenas o velho e bom lucro sem propósito.

Daniel Lança é Head de ESG do Instituto Inhotim, sócio da SG Compliance e professor convidado da Fundação Dom Cabral (FDC). É Mestre em Ciências Jurídico-Políticas pela Universidade de Lisboa e especialista em Gestão de Riscos pela Universidade Harvard. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)