Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O tamanho do estrago que Sergio Moro fez no Podemos

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 18 abr 2022, 17h49 - Publicado em 18 abr 2022, 14h19

Sergio Moro é um atrapalhado que acaba desarranjando quem está ao seu redor. Enquanto não define sequer o cargo ao qual vai concorrer em outubro, Moro vê o Podemos, seu antigo partido, perdido e sem rumo para as eleições.

A 167 dias das eleições, o Podemos ainda tenta se recuperar da saída de Moro, que seria o candidato da legenda à Presidência da República.

Não sabe se lança um candidato próprio, se endossa o nome de alguém da terceira via ou se fica ao lado do presidente Jair Bolsonaro e apoia sua reeleição.

Entre os que defendem uma candidatura própria, um dos nomes mais cotados é o do General Santos Cruz, que, assim como Moro, é ex-ministro do governo Bolsonaro.

O problema dessa opção é que lançar um candidato de última hora, sem conhecimento do público, é arriscado.

Apesar de o general ser um nome que pode atrair votos, principalmente pelo fato de ser militar, há um risco grande de frustração para a legenda.

Continua após a publicidade

A outra opção, de apoiar um nome da terceira via, também é arriscada.

No momento, a chamada “terceira via” vive uma confusão. União Brasil, MDB e PSDB tentam se unir em torno de um único candidato, mas Simone Tebet (MDB), Luciano Bivar (União Brasil) e João Doria (PSDB) gostariam de ter suas próprias candidaturas, isso sem contar com Eduardo Leite. Ainda não dá para saber quem vai ganhar: o ego ou o diálogo.

A última opção (e a pior delas) seria apoiar a permanência de Bolsonaro no poder. Essa estratégia representaria o fim do Podemos, que tentou mostrar ser um partido de direita, mas se distanciando do extremismo pregado pelos bolsonaristas. Um eventual recuo e apoio ao presidente destruiriam a imagem da legenda.

É importante deixar claro que todo esse problema foi causado porque Sergio Moro não manteve sua palavra.

O ex-ministro se filiou ao Podemos para ser candidato a presidente e, faltando um dia para o fim da janela partidária, decidiu ir para o União Brasil, onde não deverá ser candidato ao Planalto.

Moro abandonou o navio do Podemos e agora vê o naufrágio acontecendo.

O mesmo Moro que tentou se colocar como paladino da justiça mostra que não tem nenhuma aptidão para a política e até agora só fez besteira: não deu certo como ministro bolsonarista, não consegue ser candidato e ainda prejudica o partido que o acolheu primeiramente.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)