Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O riso do Brasil

Roteirista Daniel Fraiha analisa a gargalhada cruel do presidente e os tipos de humor que dividem o país

Por Daniel Fraiha Atualizado em 2 nov 2021, 08h37 - Publicado em 2 nov 2021, 08h35

Era uma sexta-feira, no dia 14 de maio deste ano, quando uma das apoiadoras do presidente se aproximou dele no cercadinho e pediu para mostrar um vídeo do pai, que havia falecido poucos dias antes. A cara de enfado de Bolsonaro se segue a uma pergunta impaciente: “Quanto tempo leva esse vídeo aí?”. Ela se apressa em dizer que vai ser só um minutinho, quase implorando, e ele responde com uma piada de mau gosto, debochando da filha que perdeu o pai: “Um minutinho de mulher… um minutinho de mulher e eu não viajo amanhã”, diz o presidente, rindo e olhando para o resto da plateia itinerante, que ri de volta.

Essa cena, talvez uma das mais simbólicas do que esse governo significa, faz pensar no tipo de humor que vem regendo o país. Um tipo de riso cruel que voltou a ser pauta nos últimos dias, quando o senador Flavio Bolsonaro imitou a gargalhada do pai em Brasília, num tom típico de vilão da Disney, apontando qual seria a reação do presidente diante das acusações contra ele no relatório da CPI.

São mais de 600 mil mortos, falas e ações reiteradas de negacionismo e consequências atrozes para o país, mas eles continuam rindo com deboche e crueldade. Qual o limite aqui?

Os humoristas já cansaram de responder, de mil maneiras diferentes, quais são suas visões sobre os limites do humor, mas, independente dessa resposta infinita, há uma clara diferença entre os vários tipos de risos possíveis. Dois deles que mais se chocam são o riso com afeto e o riso da crueldade.

O primeiro é aquele que faz o corpo ficar mais leve, a mente acalma, reequilibra a vida. O segundo é esse que atropela quem mais precisa de proteção e apoio.

O riso com afeto era uma característica fortíssima de Paulo Gustavo, um dos grandes humoristas que esse país já teve e que foi mais uma vítima da Covid. No sábado, comemorou-se o dia do seu aniversário, quando faria 43 anos, e muitas homenagens lembraram o quanto de amor e alegria ele espalhou. O dia 30 de outubro entrou para o calendário do estado do Rio como o Dia do Humor, em comemoração à sua vida e ao seu legado, merecidamente. Uma de suas frases mais marcantes foi projetada na fachada do Museu de Arte Contemporânea de Niterói: “Rir é um ato de resistência”.

Continua após a publicidade

Essa resistência, no entanto, só pode vir do afeto, do amor, da luta contra a crueldade. Jamais virá de gente que ri do luto de uma filha, que faz piada com milhares de mortes, que gargalha de uma das maiores tragédias da nossa história.

O riso de Paulo Gustavo nos aponta um futuro de esperança. A gargalhada de Bolsonaro abre uma tampa de esgoto, bárbaro, atroz e desalmado.

Quando vemos esses dois contrastes absolutos no horizonte, é fundamental que todos se façam uma pergunta simples:

Somos um país que ri com afeto ou que ri com crueldade?

Essa resposta vai definir muito o Brasil dos próximos anos.

* Daniel Fraiha é jornalista e roteirista, Mestre em Criação e Produção de Conteúdos Digitais pela UFRJ e sócio da Projéteis – Criação e Roteiro

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês