Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

O recado público a Lula do ex-ministro de Dilma

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
4 dez 2022, 10h59

De xadrezista-mor da política brasileira ao fiasco nas eleições de 2022, Gilberto Kassab continua a dar voltas no tabuleiro para se manter com algum poder. A partir de 2023, será base de apoio de Lula no governo federal e do bolsonarista Tarcísio de Freitas, em São Paulo.

Em certos aspectos, está com um pé em cada canoa – assim como Arthur Lira, o candidato à reeleição para a presidência da Câmara que terá o apoio do PT de Lula ao PL de Bolsonaro.

Mesmo não conseguindo emplacar um nome à presidência da República em 2022 – Kassab lançou Rodrigo Pacheco com pompas de estadista do tamanho de Jk mas viu a candidatura naufragar em meses – o político, que foi ministro da Dilma, resolveu explicar à sua maneira porque o PT apoiou um cacique do centrão ligado ao Bolsonaro à chefia do parlamento.

“É preciso ter inteligência emocional na vida pública. Também discordo que Lula virou refém do Centrão. Ele está em busca de uma tranquilidade que o PT não teve no governo de Dilma Rousseff. A derrota na eleição da Câmara para Eduardo Cunha em 2015 custou muito caro. Não faria sentido o PT gastar energia contra Lira”, afirmou Kassab em entrevista ao Globo.

Continua após a publicidade

De fato, Lula tem muitas frentes de batalha ao mesmo tempo. Se abrisse um conflito de cara com o chefe do centrão agora, tornaria sua própria vida ainda mais difícil. Também não adiantava lutar contra o inevitável – após Lira ter conseguido não só apoio do bolsonarismo mas também de partidos de esquerda como o PV, o PCdoB e até o PDT.

Para Kassab, e a entrevista deixa isso claro, o importante não dar sorte ao azar, evitar qualquer chance de impeachment e conquistar a tão sonhada governabilidade.

”Com os partidos que estiveram na sua coligação, mais outras siglas como PSD e MDB, já conseguirá sair com aproximadamente 250 deputados ao seu lado. Além disso, com a ascendência que Lira tem no mundo do Centrão e o compromisso de governabilidade que está estabelecendo com Lula, alcançará 300 parlamentares nas votações que vão ocorrer”, explicou o presidente do PSD.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.