Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O papelão inacreditável de André Mendonça

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 3 Maio 2022, 10h17 - Publicado em 21 abr 2022, 11h59

O ministro André Mendonça ainda não entendeu o tamanho do cargo que ocupa.

Onde já se viu um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ir às redes sociais se justificar sobre um voto que deu em um julgamento – no caso, o do deputado Daniel Silveira, aquele que queria fechar a própria corte em que o magistrado trabalha?

Pois foi exatamente isso que o ex-ministro da Justiça e ex-AGU de Jair Bolsonaro fez para rebater criticas dos eleitores da extrema-direita brasileira sobre seu sensato voto pela condenação do parlamentar bolsonarista/extremista que ameaçou seus colegas de toga do STF.

Explico: é que logo após o fim do julgamento que condenou o criminoso parlamentar, as redes sociais foram inundadas pelas hostes bolsonaristas com críticas e ataques contra André Mendonça por ele ter votado pela condenação de Daniel Silveira.

Ora, André Mendonça jurou proteger o STF e o estado de direito a qualquer custo. Vergonha mesmo seria votar como Nunes Marques, que inocentou o deputado extremista.

Continua após a publicidade

Mas, voltando, vejam o que disse André Mendonça para se justificar:

“Diante das várias manifestações sobre o meu voto ontem, sinto-me no dever de esclarecer que: [a] como cristão, não creio tenha sido chamado para endossar comportamentos que incitam atos de violência contra pessoas determinadas”, afirmou primeiramente o ministro, como mostrou o Radar.

O pastor-magistrado do Supremo continuou:

“Como jurista, a avalizar graves ameaças físicas contra quem quer que seja. Há formas e formas de se fazerem as coisas. E é preciso se separar o joio do trigo, sob pena de o trigo pagar pelo joio.  Mesmo podendo não ser compreendido, tenho convicção de que fiz o correto”.

É inacreditável que um ministro se ache no dever de ter de explicar um voto para um grupo político. É ainda mais grave quando ele se dirige justamente para esse grupo político que o colocou na mais alta corte do país.

Até onde vai a falta de discernimento (entre outras coisas) dos bolsonaristas brasileiros? Eu não sei, leitor. Quem sabe você descobre e me conta…

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)