Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O novo general que caiu na máquina de moer de Bolsonaro

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 12 Maio 2022, 17h50 - Publicado em 11 Maio 2022, 09h57

O governo Jair Bolsonaro virou uma máquina de moer reputações de oficiais generais ou, por assim dizer, de oficiais de alta patente.

Nesta quarta-feira, 11, o presidente demitiu o almirante Bento Albuquerque, que tinha, antes de entrar na atual gestão, fama de competente.

Em março, Bolsonaro demitiu com desonra o general Joaquim Silva e Luna da Petrobras, que também tinha uma boa imagem e fazia um bom trabalho como presidente de Itaipu antes de entrar na estatal do petróleo.

Em 2021, o general Eduardo Pazuello foi demitido do Ministério da Saúde após uma catastrófica gestão sanitária na pandemia. Esse já era um general incompetente, mas, assim como os outros – acreditem! – tinha fama de bom administrador, no caso construída na crise migratória venezuelana.

Há 41 dias, o general Braga Netto deixou o cargo de ministro da Defesa. Fez tudo o que Bolsonaro mandou enquanto esteve no governo, mas novamente reacendeu a fama golpista que havia manchado o Exército no passado.

Continua após a publicidade

Como disse, o atual governo é uma máquina de moer reputações de oficiais generais.

No caso de hoje, Bento Albuquerque foi demitido – sim, demitido e não “exonerado a pedido” – por conta do novo aumento do preço dos combustíveis, que Bolsonaro afirmou estar “quebrando o Brasil”.

Obviamente, um truque dele para se livrar da impopularidade gerada pelo aumento dos preços e da inflação, já que, em 2018, quando candidato, Bolsonaro dizia que a culpa da alta dos combustíveis era do presidente.

A culpa é sua, presidente, pela atual alta dos preços. Já a da destruição da imagem dos generais deve ser dividida – afinal, os oficiais embarcaram no governo por livre e espontânea vontade ainda em 2018.

PS – Para quem acompanha as Forças Armadas isso não é uma novidade, mas chamam-se oficiais generais aqueles militares que estão no topo das Três Armas, incluindo os brigadeiros e os almirantes.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês