Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O julgamento sobre Bolsonaro que ninguém conhece

Tribunal internacional analisa absurdos do presidente no auge da pandemia. Saiba como está o caso...

Por Matheus Leitão Atualizado em 30 Maio 2022, 17h35 - Publicado em 25 Maio 2022, 13h55

Os absurdos ditos pelo presidente Jair Bolsonaro e sua postura negacionista no auge da pandemia da Covid-19 no Brasil estão sendo julgados desde esta terça, 24, pelo Tribunal Permanente dos Povos (TTP) em Roma, na Itália.

Embora as decisões do tribunal não tenham efeito condenatório, é certo que as conclusões terão impacto reputacional e devem confirmar a falta de noção moral que Bolsonaro possui e que os brasileiros já conhecem. O problema é que, apesar da importância do julgamento, quase ninguém está acompanhando o que está sendo definido lá.

A verdade é uma só. A pandemia que causou estragos no mundo inteiro foi ainda pior no Brasil porque o país era liderado por um presidente despreparado e insensível.

Bolsonaro fez chacota das mortes causadas pelo vírus, defendeu um tratamento precoce que nunca foi comprovado cientificamente, gritou com jornalistas ao se irritar com perguntas sobre a pandemia, atrasou a compra das vacinas e mostrou toda a sua falta de preparo para lidar com uma das maiores crises sanitárias que a humanidade já viveu.

Como esquecer, por exemplo, do presidente afirmando que não era coveiro ao ser questionado sobre as mortes causadas pela Covid? “Eu não sou coveiro, tá certo?”, disse.

Alguns dias depois dessa frase infeliz, o presidente afirmou que é Messias, mas não faz milagre. “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre.”

Em novembro de 2020, enquanto o Brasil se assustava com as 162 mil mortes registradas, o presidente afirmou que era preciso deixar de ser um país de “maricas”. “Todos nós vamos morrer um dia, aqui todo mundo vai morrer. Não adianta fugir disso, fugir da realidade. Tem que deixar de ser um país de maricas”, declarou.

Esses são apenas alguns exemplos da insensatez do presidente do país. O tribunal internacional está munido de informações e seus membros devem estar assustados com a forma como os brasileiros foram tratados pelo seu presidente.

Bolsonaro não será punido, mas a sua falta de sensibilidade precisa ser reforçada mais uma vez para que todos se lembrem, em um ano eleitoral, quem é o presidente que quer continuar no poder.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)