Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O grande perdedor no novo embate entre Bolsonaro e Fachin

Mandatário aumenta a carga contra as urnas e a Justiça Eleitoral. Presidente da corte responde à altura

Por Matheus Leitão Atualizado em 17 Maio 2022, 10h11 - Publicado em 12 Maio 2022, 16h40

O presidente Jair Bolsonaro continua testando a paciência das autoridades que ele deveria respeitar.

Depois de falar absurdos em evento em Maringá nesta quarta, 11, incluindo novos ataques contra o sistema eleitoral e a fala de que o armamento civil pode ser um reforço contra uma “ameaça [comunista]”, ele recebeu uma resposta à altura de Edson Fachin, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Durante visita às salas do TSE onde são feitos os testes de segurança nas urnas eletrônicas nesta quinta, 12, Fachin afirmou que “quem trata de eleição são forças desarmadas e, portanto, dizem respeito à população civil, que de maneira livre e consciente escolhe seus representantes”.

A declaração é claramente uma resposta a Bolsonaro, que além de defender que as Forças Armadas acompanhem o processo eleitoral defende o armamento da população contra o resultado das eleições. Se ele perder, claro.

“Somente os ditadores temem o povo armado. Eu quero que todo cidadão de bem possua sua arma de fogo para resistir, se for o caso, à tentação de um ditador de plantão”, disse o presidente.

Tudo o que Bolsonaro vem dizendo sobre as urnas é gravíssimo, mas as declarações de ontem possuem uma gravidade ainda maior porque, ao mesmo tempo que coloca em dúvida a segurança do processo eleitoral, o presidente ainda defende que a população esteja armada para lutar contra essa “ameaça” que ele diz existir.

Isso, ao lado do ministro da Defesa, o novo general da ativa que envergonhou as Forças Armadas.

Bolsonaro continua atacando as urnas, o TSE, os Poderes, as autoridades e o Estado Democrático de Direito. Ao dizer que o povo deve estar armado para lutar contra uma ameaça de “comunização”, ele está falando da esquerda brasileira e daquele que, até o momento, ameaça sua continuidade no poder: o ex-presidente Lula, líder das pesquisas.

Como o verdadeiro ditador, Bolsonaro defende armamento contra seus opositores e tenta se justificar dizendo que seu governo valoriza a democracia. Saber perder e aceitar a derrota é a parte principal do jogo democrático que o presidente está esquecendo de exercitar. Mesmo sem o resultado das eleições de outubro nas mãos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês