Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

O destino partidário e político de Randolfe Rodrigues

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 21 out 2023, 18h35

Randolfe Rodrigues, o líder do governo Lula no Congresso Nacional, já tem mapeado o seu futuro político partidário e vai tomar uma decisão definitiva – ou bater o martelo, por assim dizer – até o dia 31 de dezembro.

Desde que Randolfe saiu da Rede Sustentabilidade, em meio ao imbróglio sobre a exploração de petróleo a 500 quilômetros da foz do Rio Amazonas, se especula sobre seu futuro partidário.

Até pela sua trajetória política – eleito várias vezes como o melhor ou mais popular congressista do Brasil – Randolfe é um parlamentar cobiçado, ou melhor, o mais desejado. E tem se mantido em silêncio quando perguntado por jornalistas.

Hoje, existem três possibilidades à mesa que se abrem diante desse mapeamento feito por ele e seus aliados mais próximos, um grupo bem restrito. E é com uma delas que Randolfe seguirá seu destino político.

PT, ou MDB ou PSB.

Continua após a publicidade

Em relação ao PT, partido com quem Randolfe tem mais identidade histórica, há uma preocupação sobre o horizonte político no Amapá, que é um estado bastante conservador.

O líder do governo Lula tem aguardado um aval da direção nacional do Partido dos Trabalhadores, o que ainda não aconteceu.

O ideal seria dar as condições para que Randolfe possa estar no partido do estado de corpo e alma, sem entrar no círculo de lutas internas que existem comumente em toda legenda.

Se houver uma pacificação no PT no estado e esse aval da direção nacional, dificilmente o caminho será outro. É a prioridade de Randolfe Rodrigues no momento.

Continua após a publicidade

Entretanto, como isso não aconteceu até agora e tem demorado, o mapa político abre a possibilidade do MDB, um partido de centro que pode ser até mais bem aceito pelo eleitorado amapaense.

Por último, existe a possibilidade do PSB, partido de centro-esquerda que hoje tem entre seus quadros o vice-presidente Geraldo Alckmin. A cúpula da legenda acabou bastante contrariada após a minirreforma eleitoral recente para abrigar o centrão.

Os caminhos de Randolfe estão à sua frente, as peças do tabuleiro estão se movendo cada vez mais e, a cada dia que passa, o senador está mais perto de tomar sua decisão.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.