Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O destino de Alcolumbre após denúncia assombrosa

Reportagem de VEJA mostra como seis funcionárias do gabinete do senador foram usadas num esquema de rachadinha. Saiba o que pode acontecer

Por Matheus Leitão 29 out 2021, 17h23

Poucos vezes nos últimos tempos se viu uma apuração tão redonda como a capa de VEJA desta semana sobre o senador Davi Alcolumbre, presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

A reportagem de Hugo Marques mostra como seis funcionárias do gabinete do senador foram usadas num esquema de rachadinha, tão conhecido pelo filho Zero Um do presidente, Flávio Bolsonaro.

A revelação é escandalosa, especialmente porque as mulheres estão declarando publicamente a fraude que pode chegar a R$2 milhões em desvios dos cofres públicos.

Por anos, diz a reportagem, o senador ficou com salários de seis assessoras do gabinete. Elas abriam conta no banco, entregavam o cartão e recebiam apenas parte do dinheiro.

A  Procuradoria-Geral da República vai analisar as suspeitas de rachadinha, assim como o Tribunal de Contas da União (TCU). Mas como fica a situação política de Alcolumbre?

O Senado da República tem um histórico de corporativismo absurdo. Os conselhos de ética do parlamento são, como se sabe em Brasília, uma vergonha. Nem parlamentar com dinheiro na cueca perde o mandato. O do Senado, então, consegue ser o pior, e raramente serve para alguma coisa.

Se a Casa punir Alcolumbre, a situação de outros adeptos da prática de roubo de salário dos funcionários terá de ficar mais grave, tanto no Senado, quanto na Câmara.

O fato é que, com um pouco de seriedade na política, ainda mais pelo fato de a rachadinha ter ocorrido no atual mandato, a cassação era certa. Mas, pelo histórico corporativista, e por haver uma bancada da rachadinha já no parlamento, a história pode acabar engavetada.

É o Brasil e os muitos caminhos da impunidade.

Continua após a publicidade

Publicidade