Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Moraes tem um novo (e dificílimo) desafio em relação a Daniel Silveira

Entenda como a Corte deve se portar diante de novo abuso do deputado

Por Matheus Leitão Atualizado em 30 Maio 2022, 17h36 - Publicado em 23 Maio 2022, 14h48

Condenado por estímulo a atos antidemocráticos e ataques contra instituições como o SupremoDaniel Silveira provocou novamente de forma absurda os ministros do Tribunal neste domingo, 22. Provocação pura e estimulada pelo presidente Jair Bolsonaro, que criou mais uma crise institucional na semana passada.

Vejam o que disse o parlamentar enquanto participava de uma “motociata” em favor do governo de extrema direita no Brasil:

“Eu nem poderia usar [a tornozeleira eletrônica] naquela época. Hoje é que eu não uso mesmo. Eu fui indultado (sic) pela graça. Quando o Judiciário tem o perdão presidencial, é meramente declaratório o reconhecimento. O Judiciário não faz mais nada, só declara a extinção.”

Repetindo as palavras de Daniel Silveira: “Hoje é que eu não uso mesmo” e “o Judiciário não faz mais nada”.  O parlamentar está falando do indulto, do perdão presidencial que recebeu de Bolsonaro, seu padrinho político.

Essa “graça” – feita também por Bolsonaro para provocar o Supremo e tirar o país de discussões importantes como a inflação alta e o desemprego – está fazendo do parlamentar um criminoso contumaz.

Continua após a publicidade

Antes de ser condenado, dizia barbaridades como esta a seguir sobre Edson Fachin: “Uma surra bem dada nessa sua cara com um gato morto até ele miar”. Na ocasião, Daniel Silveira ainda disse que sonhou “por várias e várias vezes” com o ministro “na rua, levando uma surra”.

Depois de ser condenado, diz agora que não vai usar a tornozeleira, a mesma que já não usava antes do perdão presidencial. Ocorre que Alexandre de Moraes, outro ministro desrespeitado por Daniel Silveira e Bolsonaro (saiba aqui o porquê), já ressaltou que o uso do equipamento não têm qualquer relação com o indulto, que ainda será discutido pela Corte.

Alexandre de Moraes, aliás, determinou a aplicação de multa por descumprimento do uso da tornozeleira eletrônica, além de violações a outras proibições como a de participar de eventos públicos. Determinou também o bloqueio de bens do parlamentar. O magistrado ainda decidiu abrir um inquérito por desobediência.

Nada. Nada faz Daniel Silveira parar.

Como já dito na coluna, o Supremo Tribunal Federal tem mais uma difícil missão em relação a Daniel Silveira: responsabilizar o parlamentar da forma como deve, mas sem torná-lo um novo herói do bolsonarismo.

Com a palavra, o STF e Alexandre de Moraes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)