Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Futebol e política misturam Bolsonaro, Tite, Renan, Renato. Entenda o jogo

Como Médici, atual presidente quer usar a seleção para fins políticos, mas a suspensão de Caboclo, na denúncia de assédio, é o fator que complica a partida

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 7 jun 2021, 11h46 - Publicado em 7 jun 2021, 11h42

O futebol e a política começam esta semana juntos. O relator da CPI, Renan Calheiros, pediu que os jogadores não aceitem jogar a Copa América. Mas quem acompanha os bastidores das negociações dentro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) avalia que eles acabarão decidindo jogar o torneio, apesar de fazerem isso sob algum tipo de protesto.

Nos anos 1970, o então presidente Emílio Garrastazu Médici, que governou o país nos piores anos da ditadura militar (1964-1985), derrubou o técnico João Saldanha para que a seleção não fosse comandada por um “comunista” durante a Copa do Mundo de 1970. Foi Saldanha que classificou a seleção para aquela Copa e montou o time que até hoje é considerado o melhor de todos os tempos.

Agora, Jair Bolsonaro gostaria que ocorresse o mesmo com o treinador Tite, que tem postura independente em relação ao chefe do executivo. O presidente politizou a Copa América, usando-a como pretexto para mais uma vez criticar governadores que são a favor de medidas de proteção contra a contaminação. O nome de Renato Gaúcho, que é simpatizante de Bolsonaro, está sendo ventilado para o cargo de treinador.

Já a queda de Rogério Caboclo, o grande interlocutor do presidente, ocorre por motivos inteiramente alheios à política. E tem a ver com o momento atual em que mulheres se levantam contra os abusos e os assédios. Mas acaba entrando no mesmo meio de campo, porque Caboclo era o grande negociador dessa aliança Conmebol, CBF, Bolsonaro. Assim, o time do bolsonarismo na cartolagem está desfalcado, mas não derrotado.

O senador Flávio Bolsonaro, o filho Zero Um, voltou toda a sua carga neste domingo, 6, contra Tite, afirmando que ele é puxa saco do ex-presidente Lula. É aguardar poucos dias para ver se, até nisso, o governo Bolsonaro vai imitar o regime militar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.