Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Fala de Bolsonaro sobre Alexandre de Moraes esconde uma grande ironia

Ou… o presidente acusa o ministro de fazer o que ele, sim, faz. Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 23 mar 2022, 08h54 - Publicado em 22 mar 2022, 12h00

O presidente Jair Bolsonaro se confundiu em suas (já famosas) críticas nesta segunda, 21. Em entrevista à TV Jovem Pan, o presidente disse que o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes faz uma “perseguição implacável” contra ele.

“Sabemos da posição do Alexandre de Moraes. É uma perseguição implacável para cima de mim”, disse o presidente.

Não é preciso ir muito fundo para constatar que, na verdade, o perseguidor é Bolsonaro. O presidente não consegue passar muitos dias sem citar Moraes, sem alfinetar o ministro e sem colocar em dúvida a honestidade de seu trabalho.

Para ajudar o presidente e seus apoiadores, esta coluna vai dar alguns exemplos do que seria, de fato, uma “perseguição implacável”.

Perseguição implacável é apoiar atos antidemocráticos que enaltecem a ditadura militar, que ataca as instituições e que ofendem a democracia.

Perseguição implacável, senhor presidente, é atacar o ministro responsável pelo inquérito que investiga esses atos.

Continua após a publicidade

Perseguição implacável é espalhar notícias falsas sobre a saúde dos brasileiros e sobre a vacina contra a Covid-19 e criticar o ministro que, com razão, investiga esses absurdos.

Perseguição implacável é vazar dados sigilosos em uma rede social e ofender o ministro que, com razão novamente, investiga esse comportamento.

Perseguição implacável é publicar críticas a um ministro que suspendeu o Telegram porque a plataforma não assume nenhuma responsabilidade pelo que é publicado em seu espaço.

Embora Bolsonaro não saiba o que é isso, é preciso responsabilizar quem erra, quem agride a democracia e quem incentiva as pessoas a continuarem disseminando inverdades.

Enquanto Alexandre de Moraes faz seu trabalho e é acusado de perseguição, o presidente continua fazendo insinuações sem provas e inflamando seus seguidores a reforçarem esse tipo de comportamento.

As eleições se aproximam e Bolsonaro terá que lidar com o fato de Moraes será o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no período das votações.

O presidente deveria estar preocupado em melhorar sua gestão – se pretende sonhar com uma reeleição – em vez de acusar Moraes de fazer exatamente aquilo que ele não cansa de fazer diariamente.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)