Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Covardia sem limites: o novo ataque absurdo de Bolsonaro ao STF

Presidente volta a atacar de forma absurda ministros da corte

Por Matheus Leitão Atualizado em 3 abr 2022, 08h03 - Publicado em 1 abr 2022, 13h32

O presidente Jair Bolsonaro atacou novamente os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e mostrou que não aprendeu nada sobre autocontrole e respeito nos últimos meses. Nesta quinta-feira, 31, durante cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente atacou o STF sem citar nomes.

“Se não tem ideia, cala a boca. Bota a tua toga e fica aí sem encher o saco dos outros. Como atrapalham o Brasil”, esbravejou.

A covardia de Bolsonaro não tem limites. Insatisfeito com a atuação do STF, que não se importa com as ideologias de governo e faz seus julgamentos de forma isenta, o presidente insiste em atacar, ofender e, dessa vez, subiu ainda mais o tom mandando que calem a boca.

Cale a boca já morreu, Bolsonaro.

Em período pré-eleitoral, o presidente dá uma clara demonstração de seu descontrole e radicalismo. Falando para meia dúzia de seguidores fanáticos que idolatram seus ideais cegamente, Bolsonaro acha que sua opinião é a da maioria.

Mas não é.

O STF é respeitado e tem atuado para garantir a defesa da Constituição, coisa que o atual presidente finge desconhecer.

Com uma frase bizarra, Bolsonaro foi para o ataque e lembrou a postura absurda que teve no dia 7 de setembro de 2021, quando a crise institucional chegou ao seu ápice.

Continua após a publicidade

Naquele dia, durante manifestações antidemocráticas, o presidente se levantou para ameaçar o STF.

O que incomoda Bolsonaro é que o Supremo não está nem aí para quem ele é. A mais alta corte do país não julga pessoas, e sim a lei.

E o presidente tem sido alvo – até recentemente – de pressão porque não cumpre a lei.

O ministro Luís Roberto Barroso, por exemplo, determinou que a União divulgue dados de questões relacionadas à saúde, mas também as informações epidemiológicos e populacionais indígenas, em um formato semelhante ao utilizado sobre os demais brasileiros.

Já a ministra Cármen Lúcia criticou os projetos ambientais que o governo defende, chamando de “destruição constitucional pela cupinização”.

Rosa Weber também não abaixou a cabeça para o presidente e recusou o arquivamento de um processo alegando que Bolsonaro não tem “a prerrogativa da inércia, nem o direito à letargia”.

São muitos os exemplos de atitudes erradas de Bolsonaro que obrigam os ministros a agirem.

Se alguém precisa calar a boca é o líder do país, que esquece o tamanho da cadeira que ocupa e prefere criar “intrigas” com aqueles que estão, de fato, trabalhando.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)