Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Bolsonaro isolado no Natal

Falta de diálogo, atritos com o Legislativo e o Judiciário, opiniões polêmicas, má gestão na pandemia e problemas com os filhos deixam o presidente só

Por Matheus Leitão 23 dez 2020, 16h45

O final de ano não está sendo fácil para Jair Bolsonaro. Na retrospectiva de 2020, o isolamento político vivido pelo presidente é evidente. As opiniões controversas, a falta de diálogo com líderes que pensam diferente do seu governo e os ataques feitos por ele contra instituições, políticos e pessoas, ao longo dos últimos meses, custaram caro e o preço deve continuar sendo cobrado em 2021.

Líder do Poder Executivo, Bolsonaro vê os poderes Legislativo e Judiciário se movimentarem contra suas propostas. Na Câmara, por exemplo, o presidente manifestou apoio a Arthur Lira (PP-AL) para ocupar a presidência da Casa no lugar de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e viu partidos importantes se afastarem exatamente por causa dessa preferência. 

Enquanto isso, Maia já reúne aliados em torno do nome que deseja para substituí-lo à frente da Câmara, Baleia Rossi (MDB-SP). A votação acontece dia 1º de fevereiro e Maia construiu a frente agregando partidos que vão da esquerda à direita. Trata-se de um fato auspicioso da agenda política para 2021, pois é a primeira vez que esta junção acontece desde a eleição de Bolsonaro.

Em meio à pandemia do coronavírus, Bolsonaro continua com a atitude negacionista e afirmou que não vai tomar a vacina contra a doença. Embora o governo tenha anunciado um Plano Nacional de Vacinação – ainda sem data para começar – é evidente que o presidente do país não é a favor da imunização em massa. Mesmo assim, o Poder Judiciário não se intimidou: o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a vacinação não será forçada, mas pode sim ser obrigatória.

Atacado pela má gestão da pandemia e pelas suspeitas envolvendo o filho Zero Um, Flávio Bolsonaro, o presidente continua condenando a imprensa e, nos últimos dias, decidiu conceder entrevista ao  canal do YouTube do Zero Três, Eduardo Bolsonaro. Ali, o presidente desagregador encontrou um entrevistador que não iria rebater suas ideias. Como a coluna mostrou, Bolsonaro voltou a exaltar um torturador da ditadura militar para desviar o foco dos assuntos incômodos que têm envolvido seu nome.

Internacionalmente, Bolsonaro vem minando a tradicional postura apaziguadora da diplomacia brasileira com suas colocações agressivas. Um exemplo recente de desprestígio foi a derrota da desembargadora Mônica Sifuentes, que não conseguiu votos suficientes para conquistar um assento de juíza no Tribunal Penal Internacional.

Por último, o presidente precisou lidar com a prisão de um aliado para quem ele fez campanha há poucos dias. Nesta terça, 22, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), foi detido sob suspeita de participação em esquema de corrupção. Crivella tentou se reeleger na disputa que aconteceu em novembro com o apoio de Bolsonaro para conquistar votos. A estratégia não deu certo e Eduardo Paes (DEM) vai assumir o cargo no próximo ano.

O isolamento político aumenta a cada dia e nenhuma de suas táticas parece funcionar. Se a tendência continuar, 2021 será ainda mais difícil para o presidente da República.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)