Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Matheus Leitão

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Bolsonaro faz escola e Twitter vira ringue

Rede social tem sido cada vez mais palco de embates entre autoridades, e acaba sendo menos usada para estabelecer diálogos 

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 12 mar 2021, 15h25 - Publicado em 12 mar 2021, 14h55

Em tempos de redes sociais, o Twitter vem sendo cada vez menos usado como um espaço para diálogos entre autoridades, e cada vez mais para troca de acusações entre figuras públicas, como a família presidencial faz como método costumeiro. Jair Bolsonaro e sua prole constantemente ofendem aqueles que consideram adversários, entre políticos, influenciadores e jornalistas.

Nesta semana, o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), que costuma primar pelo diálogo, respondeu firme, mas com classe, ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). “O senador Flávio eu até respondo, com você, nem vou perder meu tempo”, disse Maia, se referindo a um tuíte no qual o filho do presidente chama ele e Lula de “farinha do mesmo saco”.

Depois, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), usou a rede social para carimbar o chanceler Ernesto Araújo de propagador de fake news – algo que sabemos ser verdade, mas que gera desconforto entre integrantes do governo.

Enquanto o ministro das Relações Exteriores dizia que a CNN internacional entendia tudo errado sobre a pandemia no Brasil, e que o presidente não tinha poderes para gerir medidas restritivas, Mendes o corrigiu mostrando a verdadeira amplitude de uma decisão da corte sobre o tema. “Todos os níveis de governo são responsáveis pelo desastre que enfrentamos”, afirmou Gilmar.

Continua após a publicidade

Nesta mesma semana, o governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro, não assinou a carta dos governadores pela vida e João Dória, governador de São Paulo, reclamou sobre isso educadamente. Castro foi para o Twitter, em um tom desaforado, dizer que “do Rio cuido eu”.

Mas o mais inacreditável nos últimos dias é que o presidente Jair Bolsonaro e seu filho, Eduardo, usaram o Twitter de forma perigosa para desrespeitar mais uma vez a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Eles também exploraram politicamente uma tragédia pessoal para justificar o não lockdown, fazendo tudo o que médicos e a OMS recomendam que não se faça.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.