Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Bolsonaro e o novo medo em relação a Alexandre de Moraes

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 13 jul 2022, 12h43 - Publicado em 6 jul 2022, 14h00

Acossado pelo ministro Alexandre de Moraes em investigações sobre fake news, atos antidemocráticos e milícias digitais, Jair Bolsonaro usou a Advocacia Geral da União (AGU) nesta terça, 5 – leia-se o dinheiro do contribuinte -, para tentar tirar do magistrado qualquer poder sobre as novas suspeitas de interferência política na Polícia Federal.

Explico abaixo.

É que –  no dia anterior – Alexandre de Moraes pediu uma manifestação da Procuradoria Geral da República sobre a nova acusação relacionando o mandatário a investidas contra a PF. Agora (o presidente é reincidente neste tipo de atitude), no escandaloso caso que apura tráfico de influência do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro.

Numa reação a um ato corriqueiro do magistrado, que recebeu um pedido de investigação de Randolfe Rodrigues, Bolsonaro acionou a AGU para dizer que o inquérito que apura mal-feitos no MEC – incluindo a suspeita de intervenção dele na PF – já está com Carmén Lúcia, colega de toga de Moraes.

Para o presidente da República e a AGU, pode estar havendo duplicidade nas investigações neste caso. Bolsonaro quer, inclusive, a suspensão do pedido de Alexandre de Moraes à PGR, elevando um ato jurídico banal a um enorme problema.

Desde que uma gravação autorizada pela Justiça revelou que Milton Ribeiro pode ter recebido informações privilegiadas do presidente da República, Cármen Lúcia fez o mesmo ato – pediu uma manifestação da PGR – e disse haver uma “gravidade incontestável” nas suspeitas contra o presidente no caso sob sigilo.

É preciso lembrar que tudo isso só ocorreu por outra questão bastante corriqueira no Supremo Tribunal Federal. O pedido de Randolfe que acabou sob a tutela de Alexandre de Moraes só chegou em seu gabinete porque o ministro preside outro inquérito semelhante, que trata da suspeita de interferência de Bolsonaro na PF denunciada por Sergio Moro.

Neste inquérito, a própria PF afirmou não haver indícios de atuação irregular do presidente, mas o caso ainda não foi arquivado por questões burocráticas. Portanto, continua nas mãos de Alexandre de Moraes. Por se tratar de suspeitas semelhantes, acabou sob a tutela dele, a quem o político de extrema-direita já acusou de abuso de autoridade.

A medida da AGU, que tenta tolher Moraes, é inócua. Carmen também não vai aliviar para Bolsonaro, mas o presidente da República mostra que pode estar ainda mais preocupado com magistrado conhecido como “xerife do STF”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)