Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Bolsonaro e o novo medo em relação a Alexandre de Moraes

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 jul 2022, 12h43 - Publicado em 6 jul 2022, 14h00

Acossado pelo ministro Alexandre de Moraes em investigações sobre fake news, atos antidemocráticos e milícias digitais, Jair Bolsonaro usou a Advocacia Geral da União (AGU) nesta terça, 5 – leia-se o dinheiro do contribuinte -, para tentar tirar do magistrado qualquer poder sobre as novas suspeitas de interferência política na Polícia Federal.

Explico abaixo.

É que –  no dia anterior – Alexandre de Moraes pediu uma manifestação da Procuradoria Geral da República sobre a nova acusação relacionando o mandatário a investidas contra a PF. Agora (o presidente é reincidente neste tipo de atitude), no escandaloso caso que apura tráfico de influência do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro.

Numa reação a um ato corriqueiro do magistrado, que recebeu um pedido de investigação de Randolfe Rodrigues, Bolsonaro acionou a AGU para dizer que o inquérito que apura mal-feitos no MEC – incluindo a suspeita de intervenção dele na PF – já está com Carmén Lúcia, colega de toga de Moraes.

Para o presidente da República e a AGU, pode estar havendo duplicidade nas investigações neste caso. Bolsonaro quer, inclusive, a suspensão do pedido de Alexandre de Moraes à PGR, elevando um ato jurídico banal a um enorme problema.

Continua após a publicidade

Desde que uma gravação autorizada pela Justiça revelou que Milton Ribeiro pode ter recebido informações privilegiadas do presidente da República, Cármen Lúcia fez o mesmo ato – pediu uma manifestação da PGR – e disse haver uma “gravidade incontestável” nas suspeitas contra o presidente no caso sob sigilo.

É preciso lembrar que tudo isso só ocorreu por outra questão bastante corriqueira no Supremo Tribunal Federal. O pedido de Randolfe que acabou sob a tutela de Alexandre de Moraes só chegou em seu gabinete porque o ministro preside outro inquérito semelhante, que trata da suspeita de interferência de Bolsonaro na PF denunciada por Sergio Moro.

Neste inquérito, a própria PF afirmou não haver indícios de atuação irregular do presidente, mas o caso ainda não foi arquivado por questões burocráticas. Portanto, continua nas mãos de Alexandre de Moraes. Por se tratar de suspeitas semelhantes, acabou sob a tutela dele, a quem o político de extrema-direita já acusou de abuso de autoridade.

A medida da AGU, que tenta tolher Moraes, é inócua. Carmen também não vai aliviar para Bolsonaro, mas o presidente da República mostra que pode estar ainda mais preocupado com magistrado conhecido como “xerife do STF”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.