Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Assessores de Moro aconselham ministro a sair do Ministério da Justiça

Avaliação vai além da demissão de Valeixo da PF. Após sinal do governo ao centrão, permanência seria rendição ao que sempre condenou à frente da Lava Jato

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 27 ago 2020, 16h46 - Publicado em 24 abr 2020, 08h36

Dois dos principais assessores de Sérgio Moro no Ministério da Justiça acreditam que ele deixa o posto ainda nesta sexta-feira (24), após a confirmação da demissão de Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal. A crença se deve principalmente às conversas com o ministro na noite desta quinta (23), quando Moro foi categórico em dizer que não permaneceria sem o fiel escudeiro na PF. E também aos conselhos que deram ao ministro sobre seu “legado”.

Moro e Valeixo têm uma relação de confiança que remonta aos momentos mais tensos da Lava Jato, quando o ministro comandava com mão de ferro os processos da Operação e o policial, as investigações do caso. 

ASSINE VEJA

Coronavírus: uma nova esperança A aposta no antiviral que já traz ótimos resultados contra a Covid-19, a pandemia eleitoral em Brasília e os fiéis de Bolsonaro. Leia nesta edição. ()
Clique e Assine

Ainda que teoricamente a exoneração de Valeixo tenha sido registrada “a pedido” no Diário Oficial da União (DOU), o presidente Jair Bolsonaro tornou a permanência dele insustentável. Na cúpula da PF, Moro era descrito já há alguns meses como o escudo de Valeixo no cargo, já que o presidente queria a sua saída no ano passado.

A única forma de Moro permanecer seria poder indicar, segundo esses assessores, o sucessor de Valeixo, o que parece impensável após a queda de braço travada com Bolsonaro pela permanência do agora ex-diretor da Polícia Federal. Essa possibilidade tem menos chance de ocorrer.

Continua após a publicidade

A saída de Maurício Valeixo – e, possivelmente, a de Moro nesta quinta-feira (24) – ajuda a dar mais força ao acordo que Bolsonaro tem feito com integrantes do Centrão no Congresso Nacional.

O presidente beijou a mão de Valdemar da Costa Neto e recebeu apoio público de Roberto Jefferson, isso sem contar as negociações em andamento com o PP, partido com mais condenações na Lava Jato. Outros ameaçados por investigações também têm frequentado o Palácio do Planalto

Se Moro permanecer com todos esses sinais, depois de ter colecionado algumas importantes derrotas em 16 meses nas áreas da Justiça e da Segurança Pública, será a rendição completa ao que sempre condenou à frente da Lava Jato.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.