Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

As duas preocupações do governo Lula após morte de médicos no Rio

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 out 2023, 13h32 - Publicado em 5 out 2023, 20h14

A crise na segurança pública tomará proporções ainda maiores no estado do Rio de Janeiro e no país, se confirmada a principal linha de investigação do bárbaro assassinato de três médicos, nesta quinta, 5, na capital fluminense.

Integrantes do governo Lula admitiram isso à coluna, já que o caso revela o agravamento do descontrole da segurança pública em várias regiões.

A Polícia Civil do estado apura se Perseu Ribeiro Almeida, uma das vítimas, foi confundido com Taillon de Alcântara Pereira Barbosa, criminoso do Rio das Pedras e da Muzema, comunidades de Jacarepaguá comandadas pela milícia.

Perseu foi fuzilado junto com os colegas ortopedistas Ralf Bomfim, irmão da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP), e Marcos de Andrade Corsato. Os assassinos deram mais de 30 tiros em um quiosque na Barra da Tijuca, perto de Jacarepaguá.

Continua após a publicidade

Outra preocupação da gestão petista é a possibilidade de mais um crime no Estado – ao que tudo indica, envolvendo milicianos – ficar impune. De fato, o país não pode testemunhar mais um assassinato no Rio que não se sabe quem mandou matar, caso de Marielle Franco.

Dados da ONG fogo cruzado revelam o aumento de execuções e chacinas na Zona Oeste em meio às disputas de milícias. Foram 53 execuções em 2023 (67 mortos). Em 2022, no mesmo período, foram 12 [15 mortos]. Este ano já houve 12 chacinas, contra 4 do ano passado. É uma tragédia!”, afirma Cecília Olliveira que é diretora da organização.

Segundo ela, os tiroteios aumentaram 54% em relação a 2022, assim como aumentaram em 123% o número de mortes. Os dados impõem uma realidade na qual houve uma piora nos casos de violência, não só no Rio de Janeiro, que podem ser explorados pela oposição de Lula.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.