Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A vergonha que o discurso de Bolsonaro no 7 de Setembro revela

Ou... a saudade dos presidentes que sabiam o que dizer no dia da Independência

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 set 2022, 18h21 - Publicado em 8 set 2022, 18h19

Grande parte dos brasileiros já sabe, há algum tempo, que estamos sob o comando de um presidente que não entendeu a grandeza do cargo que ocupa.

O discurso de Bolsonaro nesta quarta, 7, deixou isso ainda mais claro e envergonhou milhões de cidadãos que esperavam por palavras de união, força e exaltação do Brasil como um todo, e não de um pensamento extremista – ainda mais nos 200 anos da Independência.

Em vez disso, vimos um presidente desesperado por votos, partindo para o tudo ou nada, puxando o coro de “imbrochável” e falando, em tom de ameaça, que vai trazer para dentro das quatro linhas da Constituição “aqueles que ousam ficar fora dela”.

Uma olhada rápida pela história mostra a importância do discurso de um Presidente da República em um 7 de setembro. O momento é de unir a população, de exaltar a democracia e de valorizar o que tem sido feito pelos brasileiros em busca da “ordem e do progresso” do país.

Em 1995, por exemplo, o então presidente Fernando Henrique Cardoso exaltou a democracia e falou em direitos humanos, dois termos que Bolsonaro ofende e faz questão de não mencionar. “Essa luta pela liberdade e pela democracia tem um nome específico: chama-se Direitos Humanos. Esse é o novo nome da luta pela liberdade e pela democracia”, disse FHC em celebração à independência do Brasil.

Continua após a publicidade

Em 2009, o então presidente Lula também fez um discurso muito mais condizente com a importância da data. “A independência não é um quadro na parede nem um grito congelado na história. A independência é uma construção do dia a dia. A reinvenção permanente de uma nação. A caminhada segura e soberana para o futuro”, disse o petista que agora tenta voltar ao poder.

Sua companheira e sucessora, a ex-presidente Dilma disse, em 2012: “Existe uma coisa mais importante que tudo: aumentamos, a cada dia, a fé e o orgulho no nosso querido Brasil. Somos, cada vez mais, um país que olha para o presente e para o futuro com um mesmo olhar de alegria, conforto e esperança”.

Não é difícil, caro leitor. Não é difícil fazer um discurso coerente e trazer todo o país a uma reflexão sobre a independência e a evolução de todos como nação. Não é difícil, mas Bolsonaro não conseguiu, ou melhor, não quis fazê-lo. 

Mais uma prova de que estamos sendo liderados por alguém que ainda não entendeu a posição que ocupa. E mais: ao não ir hoje na comemoração do bicentenário no Congresso… o líder da extrema-direita assumiu que usou a data apenas para fazer um comício.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.