Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A primeira jogada de Ciro Gomes contra Lula após as eleições 

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 23 nov 2022, 15h27 - Publicado em 23 nov 2022, 13h51

A sinalização do PDT de que vai apoiar a reeleição de Arthur Lira para a presidência da Câmara tem tudo a ver com Ciro Gomes.

Nesta terça, 22, o líder do PDT na Câmara, deputado André Figueiredo, disse que uma consulta à bancada de deputados apontou para o apoio a Lira.

“Nós fizemos uma consulta à bancada dos deputados que assumirão a partir de fevereiro e o entendimento, também com o Carlos Lupi, é que vamos chamar uma reunião da Executiva com a bancada para 6 de dezembro, para oficializarmos o apoio”, disse André.

É fato que Ciro tem grande influência no PDT junto com o presidente Carlos Lupi e a divulgação pública da posição do partido seria um sinal, de acordo com aliados do próprio pedetista, do rancor cirista em relação a Lula.

O rancor, inclusive, supera posturas contraditórias de Ciro em relação a Arthur Lira. Em dezembro de 2021, por exemplo, durante entrevista à GloboNews, Ciro chamou Lira de “bandido” e disse que, em um eventual governo seu, Lira não comandaria a Câmara.

Continua após a publicidade

Durante a campanha presidencial, o pedetista criticou o orçamento secreto, defendido abertamente por Lira. “A mais grave institucionalização que eu já vi na história da humanidade da corrupção como elemento central do modelo de poder é o orçamento secreto”, disse Ciro.

A possível vitória de Lira não é o melhor dos cenários para Lula, embora uma reeleição dele não seja algo grave, já que o presidente da Câmara deve flutuar entre apoiar o novo governo e ser oposição, a depender do tema. Apesar disso, nos bastidores, Lula preferia ter um outro nome, principalmente por causa da proximidade entre Lira e Bolsonaro.

Acontece que o presidente eleito sabe que não é bom se envolver no pleito da Câmara. Poucos dias depois de vencer a eleição, Lula deixou claro que não vai interferir nas escolhas dos presidentes da Câmara e do Senado. Essa isenção acontece porque, se o presidente se envolver e seu candidato perder, ele estará nas mãos do vencedor.

O apoio do PDT é uma jogada de Ciro porque o pedetista resolve apoiar o candidato que é aliado de primeira hora de Bolsonaro, que não tem alinhamento com o PT e pode dificultar a vida do novo governo. A decisão mostra o recalque de Ciro, que, apesar de dizer que não vai mais ser candidato à Presidência, provavelmente estará em campanha de novo em 2026 tentando chegar ao poder.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.