Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A ministra de Lula que deve voltar a ser alvo de ataques do Centrão

Ou… a política real por trás do início do ano legislativo, que mira postos na Esplanada em vez de concentrar-se na construção de leis

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
5 fev 2024, 14h39

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, é uma técnica em meio ao mundo político da Esplanada dos Ministérios. Sem filiação partidária ou projeto de poder – até onde se sabe -, ela foi escolhida por Lula após uma longa conversa com o médico Alexandre Kalil e o petista Alexandre Padilha.

Sua atuação na pandemia da Covid-19, quando guiou a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na parceria para produção da vacina AstraZeneca no Brasil, encheu os olhos do presidente da República – especialmente no contraponto a Jair Bolsonaro.

Mas Nísia vive, agora, seu momento mais delicado desde a nomeação no Ministério da Saúde. Engana-se quem pensa que isso aconteceu em Junho do ano passado, quando houve uma fritura pública orquestrada pelo Centrão por conta do atraso na liberação de emendas.

A dramática epidemia de Dengue, cuja explosão de casos fez com que estados decretassem emergência na saúde pública, está sendo vista por setores do Congresso como um erro justamente técnico. Era tudo o que aliados de Arthur Lira precisavam para recomeçar o plano de tentar se apossar do orçamento de bilhões da pasta.

Continua após a publicidade

Enquanto o plano para fragiliza-la está sendo organizado pelo Centrão, já que de fato o ministério errou ao não prever que uma epidemia violenta de Dengue ressurgiria, Lira envia sinais de que só ajudará nas votações do Congresso caso Alexandre Padilha, esse mesmo que avalizou o nome de Nísia para o ministério da Saúde, deixar a articulação política.

O mundo dá voltas, mas em Brasília parece permanecer no mesmo lugar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.