Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A decisão enigmática de Bolsonaro durante o debate da Globo

Ou... por que o atual presidente não quis encarar Lula frente a frente

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 14 out 2022, 11h22 - Publicado em 30 set 2022, 11h23

O debate promovido pela Rede Globo nesta quinta, 29, teve de tudo. Como a coluna mostrou, o encontro mostrou várias faces dos candidatos e certamente decepcionou muitos brasileiros que tiveram que assistir Ciro Gomes (PDT) e Padre Kelmon (PTB) atuando em favor de Jair Bolsonaro.

O presidente, inclusive, tomou uma decisão enigmática e estratégica durante o confronto. No penúltimo bloco do debate, Bolsonaro foi o primeiro a escolher para quem faria uma pergunta e teve nas mãos a chance de questionar e enfrentar Lula, seu principal adversário. Em vez disso, o presidente fez uma pergunta para Felipe D’Avila, o candidato do Novo.

Imagine, caro eleitor, que você é o presidente da República tentando a reeleição, aparece perdendo em todas as pesquisas de intenção de votos e tem a chance de enfrentar publicamente seu principal adversário, que está próximo de vencer a disputa inclusive no primeiro turno. O que você faria? 

Bolsonaro, simplesmente, amarelou.

Mas — ao tomar a decisão de perguntar para o candidato do Novo — deixou aberto o espaço para que Padre Kelmon fizesse um questionamento a Lula. E foi exatamente nessa oportunidade que o candidato do PTB conseguiu tirar o petista do sério — o único momento do debate em que o ex-presidente perdeu a cabeça.

Continua após a publicidade

A estratégia de Bolsonaro foi pensada. Ele queria incentivar o confronto entre o padre e Lula. Para a campanha do presidente, a estratégia funcionou. No entanto, ainda não se sabe se essa decisão vai se converter em votos.

O fato é que o presidente apostou alto nessa decisão. Os direitos de resposta que o colocaram em embate com Lula foram inesperados e deixaram um em pé e o outro sentado no estúdio, lembrem-se. Quando iniciou a rodada de perguntas, num momento que já era esperado por todos e eles poderiam se encarar, frente a frente, Bolsonaro fugiu do petista.

O presidente está num “tudo ou nada” para tentar levar a eleição para o segundo turno. Depois da divulgação dos dados do Datafolha, esperava-se que Bolsonaro tivesse mais coragem para enfrentar Lula no último debate antes do dia 2 de outubro. Não foi o que aconteceu. 

Resta saber como os eleitores vão interpretar isso no próximo domingo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.