Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

A bomba relógio do ministro de Bolsonaro

Ou... o triste destino do pastor ministro do presidente

Por Matheus Leitão Atualizado em 25 mar 2022, 10h21 - Publicado em 24 mar 2022, 11h31

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, está na berlinda e corre cada vez mais o risco de ser demitido por Jair Bolsonaro por fazer exatamente o que presidente pediu que ele fizesse. Demitido – leia-se – obrigado a pedir para sair do cargo.

A divulgação dos áudios nos quais Milton fala sobre o favorecimento de pastores na distribuição de verbas do MEC é mais uma prova de que o atual presidente mistura, de forma absurda, religião e governo.

Mesmo que o criticado do momento seja Milton Ribeiro, todos os caminhos levam a Bolsonaro. Tudo indica que essa “lambança” foi causada pelo presidente.

No início de março, durante reunião com líderes religiosos no Palácio da Alvorada, ele deixou claro que é influenciado pelos pastores.

“Eu dirijo a nação para o lado que os senhores assim desejarem”, disse o presidente de forma bastante clara sobre como funciona as engrenagens do seu governo.

Com o áudio do ministro revelado pela Folha, fica evidente que Bolsonaro não apenas destruiu a educação, nomeando péssimos líderes para a pasta, como aparelhou o MEC para atender aos seus interesses ideológicos e… alguns outros mais escusos.

Continua após a publicidade

Agora, Milton Ribeiro está com uma bomba nas mãos e continua tentando blindar o presidente. O ministro, que também é pastor, abre mão da “sua verdade” e deixa sua imagem ser manchada por causa de sua lealdade àquele que o chamou para o cargo.

A fidelidade é tão grande que gera incoerência. Em entrevista à CNN e à Jovem Pan, o ministro afirmou que levou denúncia à Controladoria-Geral da União (CGU) sobre uma suposta atuação indevida dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura.

Mesmo assim, Milton Ribeiro se encontrou com esses mesmos pastores pelo menos cinco vezes após as denúncias, a pedido de quem? Jair Bolsonaro. Segundo ele, as reuniões continuaram acontecendo para que a dupla não suspeitasse de que estava sendo investigada.

O caso comprova que a mistura de religião e política sempre causa um impacto maior em escândalos  de corrupção.

Milton Ribeiro está em uma situação difícil. Se for afastado do cargo, sairá em meio a um escândalo. Se não for demitido, ficará sangrando no cargo, como Bolsonaro já fez com outros integrantes de sua equipe.

É praticamente uma bomba relógio.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)