Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

A boa notícia da pesquisa Datafolha para aliados de Bolsonaro

Rejeição das mulheres ao presidente não se repete com candidatos bolsonaristas ao governo de SP, MG e RJ

Por Matheus Leitão Atualizado em 13 jul 2022, 12h42 - Publicado em 5 jul 2022, 19h30

A alta rejeição que o presidente Jair Bolsonaro possui entre as mulheres não está atingindo seus aliados nos três principais colégios eleitorais do país. Como a coluna mostrou, ele tem uma rejeição de 61% entre as mulheres na pesquisa nacional, número muito expressivo e que dificulta o crescimento do presidente na disputa.

Enquanto o atual mandatário se movimenta para tentar parecer mais agradável aos olhos do eleitorado feminino – até agora sem sucesso – , os candidatos aos governos de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais apoiados por Bolsonaro não têm muito com o que se preocupar.

Informações divulgadas pelo Painel, da Folha, mostram que o candidato Tarcísio de Freitas (Republicanos), que disputa o governo de São Paulo, é rejeitado por 14% das mulheres. Por lá, Bolsonaro tem uma rejeição de 60% entre o eleitorado feminino, muito superior à de seu ex-ministro.

No Rio de Janeiro, outra diferença grande entre o presidente e seu candidato. O atual governador Cláudio Castro (PL), que tenta a reeleição, tem 18% de rejeição entre as mulheres. Lá, Bolsonaro é rejeitado por 55% das eleitoras.

Em Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), que também tenta cumprir o segundo mandato, é rejeitado por 22% das mulheres. Já o presidente tem a rejeição de 57% das eleitoras mineiras.

Continua após a publicidade

A 89 dias da eleição, os apadrinhados políticos de Bolsonaro não estão sendo atingidos pelos péssimos  números do presidente entre as mulheres. Embora Bolsonaro seja o padrinho que mais atrai rejeição no cenário geral, o eleitorado feminino caminha em direção diferente em três importantes estados. 

Ao menos, até agora. 

Essa é uma boa notícia para os três candidatos. É comum que apadrinhados sintam o impacto negativo de alianças com partidos ou com candidatos. Fernando Haddad, por exemplo, viu suas intenções de voto subirem em 2018 quando foi anunciado como candidato à presidência pelo PT, mas também viu a rejeição aumentar após a decisão.

Os últimos levantamentos do Datafolha mostram Zema na liderança isolada na disputa mineira, com 48% dos votos; Cláudio Castro empatado em primeiro lugar com Marcelo Freixo (PSB) com 23% das intenções de voto no Rio de Janeiro; e Tarcísio tentando melhorar seus 13% de intenções de voto e sair da posição que ocupa na corrida em São Paulo.

Os três precisam avaliar os impactos de uma aliança com Bolsonaro e acompanhar os números das pesquisas para não correrem o risco de terem sua candidatura prejudicada pela alta impopularidade do presidente. Até porque, tudo pode mudar à medida que o eleitorado ficar mais bem informado sobre as eleições nos próximos três meses.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)