Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Marcela Rahal Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Marcela Rahal
Jornalista, repórter e apresentadora. Blog de informação e análise do cenário político nacional
Continua após publicidade

Pacheco promete agilizar CPI da Braskem após risco de desastre em Maceió

O autor da comissão, Renan Calheiros, pediu apoio do presidente do Senado

Por Marcela Rahal
Atualizado em 4 dez 2023, 16h50 - Publicado em 4 dez 2023, 09h39

A CPI de autoria do senador Renan Calheiros, do MDB de Alagoas, para investigar a atuação da petroquímica Braskem na exploração de sal-gema, no bairro do Mutange, em Maceió, deve ganhar força agora, com a iminência de um desastre em razão do colapso de uma das minas da empresa.

Segundo aliado ouvido pela coluna, Renan conversou com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, neste fim de semana e, diante da gravidade da situação na capital alagoana, ele teria se comprometido a agilizar o andamento da comissão.

O senador deve se encontrar com líderes dos partidos nesta segunda-feira, 4, para que indiquem os integrantes que vão participar da CPI. Lembrando que só o MDB, de Calheiros, escolheu os líderes até agora. Só depois disso será possível dar início aos trabalhos da comissão, que pretende investigar o papel da empresa.

Cerca de 60 mil pessoas já tiveram de deixar suas casas desde 2018, quando os tremores de terra começaram a atingir a região. Na época, foi constatado que uma das 35 minas da empresa desmoronou e outras tinham deformidades. Caso haja o colapso da mina 18, cinco bairros podem afundar. A estrutura que estava cedendo mais de 50 centímetros por dia agora diminuiu para 7. No total, o aprofundamento do solo já é de 1,70 metro. Com isso, a perspectiva melhorou, de acordo com o Ministério de Minas e Energia.

“A expectativa dos especialistas do SGB/CPRM, neste momento, é que, se houver desmoronamento, ocorrerá de forma localizada e não generalizada”, divulgou a pasta.

Continua após a publicidade

No fim de semana, o risco de desastre mobilizou políticos rivais do estado de Alagoas. O presidente da Câmara, Arthur Lira, esteve com o prefeito João Henrique Caldas, do PL, seu aliado, para discutir soluções e pedir ajuda do governo federal. Renan Calheiros também cobrou ações e ressaltou a importância do andamento da CPI da Braskem.

Vale lembrar que, em julho deste ano, a petroquímica fechou um acordo com a prefeitura de Maceió para ressarcir o município em R$ 1,7 bilhão, em razão do afundamento do solo, para a realização de obras de contenção e assistência aos moradores atingidos. De lá pra cá, a situação, no entanto, só piorou.

Pode parecer jargão, mas é a típica tragédia anunciada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.